Tamanho da fonte: -A+A

A Axis Communications, fabricante sueca de câmeras de monitoramento, decodificadores e outros equipamentos de vídeo IP, alcançou receita de US$ 317 milhões em vendas líquidas no ano de 2009, um crescimento de 17% sobre 2008.

Só no continente americano, as vendas atingiram US$ 145 milhões, expansão de 27% ano/ano.

“Crescer mesmo em tempos de crise é um claro sinal de que o nosso negócio tem fôlego. E tem mesmo, especialmente em nossa região, que apresenta uma demanda crescente de soluções de segurança e de monitoramento por câmeras”, diz Alessandra Faria, diretora da Axis para a América do Sul.

P&D
A Axis também ampliou os investimentos em pesquisa e desenvolvimento no ano passado: a receita para este setor chegou a US$ 45,7 milhões, valor 24% maior que o investido em 2008.

“Para manter nosso market share, que é de 33,5% do mercado global de câmeras IP, de longe o maior do mundo, continuaremos com o foco em lançamento de produtos para vídeo em rede, ampliação das parcerias com desenvolvedores de software e outros fabricantes, além da ampliação da equipe”, explica Ray Mauritsson, CEO da Axis.
 
Timão
Falando em aumento da equipe, a Axis fechou 2009 com 776 funcionários em todo o mundo, número que em 2007 ficava em 564.

Agora, os planos são de contratar mais, especialmente no Brasil, segundo Alessandra Faria.

“Em pouco tempo, conseguimos nos tornar líderes do projetos de cidades digitais, principalmente no Sul do Brasil, e a perspectiva é de crescer a passos cada vez mais largos”, destaca a executiva.
 
Portfólio de novidades
Em 2009, a Axis lançou 30 produtos, número que a companhia pretende repetir em 2010.

No ano passado, além de reforçar a linha de câmeras HDTV, a Axis lançou também a primeira câmera térmica IP do mundo. O aparelho não depende de luz para formar imagens, já que identifica diferenças de calor emitido pelos corpos (animados ou não).

“Com preços mais baixos, vamos popularizar a solução. Atualmente, as câmeras térmicas custam em torno de US$ 15 mil. Vamos reduzir essa patamar pela metade, o que aumentará as possibilidades de monitoramento para as empresas e abrirá um novo mercado no ramo de segurança por vídeo”, finaliza Alessandra.

Leia mais no Baguete
Outra aposta da Axis - que tem na América Latina seu maior mercado, em termos de crescimento, sendo o Brasil responsável por 52% das vendas na região - é o open source.

Para investir nesta área, a companhia criou o Onvif (Open Network Video Interface Forum). O grupo hoje reúne 100 empresas que, segundo a IMS Research, movimentam 60% da receita mundial de equipamentos de vigilância por vídeo em rede.

“Com o padrão Onvif, podemos ter câmera de um fabricante, decodificador de outro e nada de incompatibilidades”, conta o fundador da Axis e inventor da câmera IP, Martin Gren. "Deste fórum, podem participar empresas de qualquer porte", complementa.

O assunto foi matéria no Baguete, que pode ser conferida na íntegra pelo link relacionado abaixo.