Gabriel Xavier

Com aporte inicial de R$ 3 milhões para o primeiro ano, entrou no ar o serviço de cupons para celular Mobo, com foco inicial na capital gaúcha.

Iniciativa da empresa porto-alegrense de mesmo nome, o site abriu com investimento de uma holding cujo nome o diretor-executivo Gabriel Xavier prefere não revelar.

No ar desde o dia 11 de agosto, a empresa já contabiliza 1 mil downloads de aplicativos e 3 mil cupons.

A meta é chegar a 10 capitais e 20 cidades brasileiras no seu primeiro ano de operação.

Os primeiros alvos são Florianópolis, Curitiba, Rio de Janeiro e São Paulo – mercados na mira já antes do lançamento da operação, e que devem ser anunciados até outubro.

“Temos recebido e-mails de pessoas dessas cidades pedindo um serviço similar”, diz Xavier.

Não é compra coletiva
Em tempos de boom da compra coletiva, Xavier, 29 anos, faz questão de frisar que não se trata de mais uma iniciativa no segmento, que já soma mais de 2 mil sites no Brasil.

“Nós não temos cadastro, nosso produto é gratuito e, portanto, sem prejuízo ao usuários, e os cupons já podem ser usados na mesma hora”, salienta.

No PC e no iPhone
O Mobo pode ser usado de duas formas: via internet, com acesso pelo browser, ou em aplicativos para Android e iPhone.

Na rede, uma lista de cupons de desconto é exibida. Basta clicar nos ainda disponíveis e digitar o celular no serviço. Um código é enviado para o aparelho, a fim de confirmar o número. Depois de digitar esse código em um novo campo no site, o cupom é enviado ao internauta.

Já quem usa o iPhone, por exemplo, pode encontrar as promoções mais próximas via GPS, pelo próprio aplicativo do Mobo, e usar na hora.

Segundo Xavier, as promoções duram enquanto houver cupons disponíveis: “Tivemos uma promoção no Temaky que durou 30 minutos”.

Pague por cupom
Bom para os negócios da Mobo. O modelo de cobrança das empresas é por cupom baixado, como se fosse publicidade. Aliás, é assim que Xavier vende a ideia para possíveis parceiros.

“Somos uma empresa de marketing, com uma ferramenta para otimizar o faturamento, e recebemos por interesse do cliente na marca”, descreve.

A gestação da ferramenta “otimizadora de faturamentos” se de em sigilo absoluto, disse Xavier. Uma equipe de 10 profissionais, indicados pela holding, escreveu os códigos que fazem o Mobo funcionar, dos campos usados pelos internautas aos relatórios gerados para os clientes.

Apenas os layouts dos apps e do site, explica o diretor, foram terceirizados.

Hoje numa sala de 150 metros quadrados na rua Félix da Cunha, na capital gaúcha, a Mobo conta com uma equipe de cinco pessoas na área comercial, mais cinco no back office.

Inspiração gringa
Formado em administração pela PUCRS e com especializações em marketing e finanças, Xavier também e sócio diretor da empresa de marketing Easy Card + GNX8.

Ele conta que a inspiração para o modelo veio de redes sociais e de um site parecido, dos Estados Unidos, o Mobile Coupons.

O serviço norte-americano também oferece cupons e promoções, podem ser enviados para o telefone ou impressos diretamente do site.

O Foursquare, rede de sócio-geolocalização, hoje com 10 milhões de usuários, e atuação mais forte nos EUA, também trabalha com um modelo de ofertas via celular, chamado de “Flash Special”.

No formato, estabelecimentos comerciais realizam uma oferta com desconto, ou brindes, a um número limitado de primeiros clientes a fazer o check-in (registro de entrada) no local.

São mais de 500 mil estabelecimentos cadastrados no sistema.