Presidente da GVT no conselho da Vivendi

22/06/2011 12:01

O presidente da GVT, Amos Genish, acaba de entrar para o Conselho Executivo de Administração da Vivendi, que controla a operadora desde novembro de 2009.

Desta forma, a operadora brasileira passa a participar das decisões do grupo francês.

O conselho é responsável por traçar as estratégias globais de atuação da Vivendi, assim como as políticas de investimentos e inovação.

Tamanho da fonte: -A+A

O presidente da GVT, Amos Genish, acaba de entrar para o Conselho Executivo de Administração da Vivendi, que controla a operadora desde novembro de 2009.

Desta forma, a operadora brasileira passa a participar das decisões do grupo francês.

O conselho é responsável por traçar as estratégias globais de atuação da Vivendi, assim como as políticas de investimentos e inovação.

Os membros do órgão atuam não só nestas práticas, como também no fomento do trabalho colaborativo entre as empresas do grupo europeu e na fiscalização da gestão da corporação.

O Conselho é presidido por Jean-Bernard Lévy, CEO da Vivendi, e também reúne representantes da Maroc Telecom, SFR, Canal Plus e Universal Music.

Conforme Genish, a GVT é um “ativo importante dentro da Vivendi pela alta contribuição com as taxas de crescimento do grupo” e “potencial de crescimento futuro”.

Além disso, o fato de estar no Brasil também conta a favor da operadora, segundo o executivo.

“O país é destaque entre os emergentes”, avalia ele.
 

Veja também

Vivendi mira investimentos no Brasil
O presidente da Vivendi, Jean-Bernard Levy, já havia declarado que a empresa está em busca de alvos para aquisições, como parte de sua estratégia para crescer em mercados emergentes.

Agora, porém, o papo ficou mais claro: segundo matéria publicada no Financial Times desta sexta-feira, 05, a operadora estaria avaliando oportunidades de investimento no Brasil.
Vivendi empresta € 250 mi para GVT
A GVT vai receber um empréstimo de € 250 milhões da sua controladora, a francesa Vivendi, anunciou a operadora nesta terça-feira, 23.

Cada saque terá o prazo de vencimento de cinco anos, e juros à taxa Euribor acrescida de 0,35 pontos percentuais ao ano. A Euribor é hoje de 0,9181% ao ano.
GVT: R$ 80 milhões em rede no ABC

A GVT vai investir R$ 80 milhões para começar a atender às cidades de  Santo André e São Bernardo do Campo, no ABC paulista.

Inicialmente, a rede terá capacidade inicial de 70 mil acessos de banda larga e de telefonia fixa, o correspondente a 40% de cobertura na região.

“Por isso já planejamos expandir a cobertura inicial gradualmente”, afirma Alcides Troller Pinto, vice-presidente executivo da GVT. .

GVT: R$ 7 mi em Paulista-PE

A GVT investiu R$ 7 milhões para começar a oferecer banda larga em Paulista, um município da região metropolitana de Recife.

A capacidade inicial é de seis mil acessos de internet banda larga e linhas de voz no bairro Janga, o que corresponde a 20% da área urbana da cidade.

GVT tem alta de 47% na receita do 1T11

A GVT, operadora de banda larga e telefonia fixa com atuação nacional, fechou o primeiro trimestre com receita líquida de R$747,2 milhões, 46,8% maior que a registrada no mesmo período do ano anterior.

O lucro cresceu quase quatro vezes atingindo R$ 118,2 milhões.

A empresa alcançou 4,76 milhões de linhas em serviço em 31 de março, uma ampliação de 52,8% da base de clientes em relação ao primeiro trimestre de 2010.

GVT entra no mercado de Data Centers

A GVT entra no ramo de serviços de TI com o lançamento de  três data centers no Brasil.

Com uma área total de 2,4 mil metros quadrados e 300 racks disponíveis, os centros estão localizados em São Paulo (1 mil m2) , Rio de Janeiro (600 m2) e Curitiba (800 m2).

GVT lança nova identidade visual

A GVT, operadora de banda larga e telefonia fixa de atuação nacional, está lançando uma campanha para apresentar sua nova identidade visual.

O projeto foi desenvolvido pela agência de publicidade Loducca e inclui veiculação em televisão e a criação do hot site da campanha.

O conceito que sustenta a proposta da GVT teve início no segundo semestre de 2010 e envolveu mais de 100 profissionais, incluindo um investimento de R$ 10 milhões.

Operação da GVT em Osasco é ativada

A operação comercial da GVT em Osasco (SP) foi ativada nessa semana oferecendo telefonia fixa e banda larga a 100Mbps em 22 bairros da cidade – representando 23% de cobertura do município de de 666 milhões de habitantes, segundo o IBGE, situado a 18 quilômetros da capital.

O investimento inicial na cidade é de R$ 18 milhões para a construção da rede com capacidade de 17 mil acessos de banda larga e de telefonia fixa.

GVT fechou 2010 com receita de R$ 2,43 bi

A GVT fechou 2010 com crescimento de 43% na receita líquida, que somou R$ 2,43 bilhões.

O lucro líquido da operadora cresceu quase três vezes, alcançando R$ 372,7 milhões.

Já a margem Ebitda (resultado antes dos juros, imposto de renda, depreciação e amortização) foi de 41,3% no ano, quase três pontos percentuais superior à margem de 2009, que foi 38,6%.

Cliente GVT tem conexão 6x maior que a média

A GVT atingiu ao final de janeiro a velocidade de 8,6 Mbps como média de sua base de clientes de internet.

A velocidade da base de clientes da operadora é cerca da metade da Coréia do Sul, que tem a maior média do mundo, de 16,6 Mbps.

O número é 6,6 vezes maior que a média brasileira (1,3Mbps) e 5 vezes maior que a média mundial (1,7 Mbps).

GVT defende parceria entre teles e governo

O presidente da GVT, Amos Genish defendeu uma parceria público-privada (PPP) entre Telebrás e operadoras para expandir as redes.

O executivo fez coro às críticas à cobertura de rede para acesso à internet em banda larga no Brasil, já comuns entre integrantes do governo, quando se refere às falhas das operadoras de telecomunicações.

GVT investe R$ 1,73 bi com foco no Rio

A GVT pretende investir R$ 1,73 bilhão no país em 2011, principalmente no início da operação comercial no Rio de Janeiro.

Em 2010 já foram R$ 1,4 bilhão investidos no país, dos quais R$ 100 milhões na preparação para operar no Rio de Janeiro.

Na capital fluminense serão atendidos inicialmente 21 bairros nas zonas sul, norte e oeste, que estarão aptos a receber os serviços de telefonia fixa e banda larga.

GVT: R$ 80 mi no ABC Paulista

A GVT ampliou sua atuação em São Paulo com duas novas cidades cobertas: agora, a companhia atua também em Santo André e São Bernardo do Campo, no ABC Paulista.

Juntas, as duas cidades receberam investimento de aproximadamente R$ 80 milhões da operadora.

A previsão é que a cobertura inicial esteja concluída até março nos dois municípios, com 70 mil acessos para telefonia fixa e banda larga.

GVT investe R$ 63 mi para ampliar em SP

Até fevereiro, a GVT pretende ampliar sua linha de serviços de telefonia fixa e banda larga de 100 Mbps em São Paulo, com um investimento de R$ 63 milhões. Osasco e Guarulhos são os alvos da expansão.

Com a implantação, a área de atuação da operadora alcança 98 cidades nas regiões Sul, Sudeste e Nordeste em 17 estados, informa o jornal Valor Econômico.

Vivendi: mais compras no Brasil

O grupo francês Vivendi, que em 2009 levou a GVT por US$ 5,4 bilhões, quer fazer mais compras no Brasil.

“Queremos encher os canos da GVT com conteúdo e serviços”, afirmou em entrevista ao Financial Times desta quarta-feira, 12, o CEO da Vivendi, Jean-Bernard Lévy.

Para o executivo, o mercado brasileiro é “quase inexplorado”.

Vivendi deve fechar capital da GVT
Com intenção de assumir o controle total da GVT, a Vivendi está realizando uma oferta pública para comprar todas as ações remanescentes da operadora, que equivalem a 13,22% do capital.

Em comunicado enviado a Comissão de Valore Mobiliários, a Vivendi ofereceu R$ 56 por ação.

A oferta será realizada em leilão no sistema eletrônico de negociação da BM&FBovespa.
Vivendi eleva participação na GVT para 72,1%
A francesa Vivendi aumentou sua participação na GVT de 59,4% para 72,1% do capital. Somando as opções de compra de ações não exercidas, a participação da empresa fica, agora, em 78,7%, ou 108 milhões de ações.

Com isso, a Vivendi torna-se o novo controlador acionário da operadora brasileira, nomeando executivos seus para o Conselho de Administração da empresa.