Dados da consultoria ABI Research indicam que, apesar do sucesso que o iPhone e o Android têm demonstrado entre certos grupos de consumidores, os smartphones representam apenas 25% dos celulares vendidos no mundo.

Em 2010, indica a ABI, as vendas de celulares com mais funções que os modelos simples, mas não tantos quanto os smartphones,  representaram mais de 75% do mercado de dispositivos móveis.

Para os analistas, a maioria dos consumidores ainda prefere modelos mais baratos.

“Os messaging phones, por exemplo, facilitam o envio de mensagens e, por não terem tantos recursos, possuem um preço mais em conta”, diz a analista da ABI Research, Victoria Fodale, explicando a preferência.

A previsão é que até 2015 esse tipo de celular seja responsável por um terço do mercado.

“Mobile phones foram desenvolvidos para regiões específicas, principalmente países em desenvolvimento, onde os clientes precisam de soluções de baixo custo para aproveitar os serviços de Internet que as provedoras oferecem”, disse o diretor da ABI, Kevin Burden.

Os modelos “meio-termo” entre aparelhos sofisticados e básicos também têm chamado a atenção de empresas com serviços que se beneficiam da mobilidade dos smartphones.

Recentemente, por exemplo, o Facebook lançou um aplicativo para que celulares mais simples também possam acessar a sua rede.

Ele funciona com mais de 2500 aparelhos, da marcas como Nokia, Sony Ericsson e LG.