Tamanho da fonte: -A+A

Além do patrocínio nas camisetas da dupla Gre-Nal, o acordo com a TIM pode colocar a operadora no bolso da diretoria dos clubes, e até de jogadores.

Segundo Alexandre Ratacheski, diretor comercial da TIM na região Sul, o acordo com Grêmio e Internacional inclui todo o sistema de comunicação corporativa dos times. Celulares, planos de dados e telefonia fixa oferecidos pela empresa poderão ser utilizados.

“Cada clube vai ter um determinado valor que, a seu critério, vai definir os aparelhos e os planos”, diz  Ratacheski, que não revelou valores ou percentuais da negociação. “São confidenciais”, completou.

Os contratos já estão assinados, diz o diretor. Atualmente, o processo está no trâmite burocrático de portabilidade de números e migração de aparelhos. Mas, prevê o executivo, os aparelhos já devem ser usados nos próximos 15 dias.

Na opinião do diretor da TIM, a troca dentro do patrocínio deve compensar economicamente.

“Exatamente de quanto (deve ser a economia) eu não sei, mas a TIM tem planos muito agressivos. Os clubes vão poder falar mais gastando a mesma coisa, ou até menos”, avalia.

Os contratos foram fechados por três anos, e incluem, além da telefonia corporativa, exposição da logomarca da operadora dentro do número da camisa oficial, nos uniformes de treinos, nos backdrops dos clubes, em publicidade nos estádios Olímpico e nas placas dos centros de treinamento.

A parceria ainda prevê ações exclusivas de venda de produtos e serviços da operadora nos estádios e demais pontos de venda.

Conforme Ratacheski, apesar dos contratos expirarem em 2013, um ano antes da Copa do Mundo no Brasil, existe a possibilidade de prorrogação e até de infraestrutura para o evento, com colocação de hotspots no estádio e outras ações tecnológicas. “Mas são detalhes pra frente”, diz o executivo.

Além de Grêmio e Inter, a TIM tem parcerias com Corinthians e Palmeiras.

Segundo dados divulgados pela Anatel em outubro, a TIM é a terceira maior operadora do Brasil, com 46,9 milhões de clientes e 24,52% do market share de telefonia móvel. No terceiro trimestre de 2010 a empresa lucrou R$ 125 milhões.