Luiz Oliveira. Foto: Divulgação

A Netgear está pronta para sua investida no Rio Grande do Sul.
 

Nos últimos 10 meses, em parceria com a porto-alegrense Méson Informática, representante de empresas como HP e Sandisk no Rio Grande do Sul, a multinacional de soluções de conectividade norte-americana saltou de um para oito canais gaúchos.

“Foi a nossa arrancada do zero muito bem sucedida”, diz Luiz Oliveira, diretor de SMB da Netgear.
 
Conforme observa Oliveira, a entrada da Méson foi de grande importância para alinhavar os negócios com um sotaque local para a multinacional, que teve faturamento de US$ 1,18 bilhão no ano passado.
 
“É uma característica daqui se dar melhor com quem é daqui”, observa.

No Brasil, a empresa quer somar 200 revendas às atuais 300 da base nos próximos três anos.
 
Parceria com know how
Entre os parceiros gaúchos no canal – aposta forte da companhia para as vendas desde o ano passado, quando foi estabelecida a meta de 60% das comercializações nesse segmento em três anos – estão Netserve, Cinco TI, Netsul e Techdech.
 
Alguns, como a Netsul, já possuem contratos no segmento de governo.
 
No ano passado, a porto-alegrense venceu três dos quatro grupos de compras de telecom do Ceitec, de até R$ 323 mil, além de  R$ 1,3 milhão para fornecimento de equipamentos, software, treinamento e serviços à Secretaria da Fazenda gaúcha (Sefaz).
 
Ou seja, já existe experiência entre os parceiros locais num dos públicos-alvo, o governamental.
 
Boa fama
Nas empresas, a Netgear quer contar com o conhecimento que já existe da marca fora do Brasil, conforme Isnar Schames, diretor comercial da Méson.
 
“O cara que compra para a empresa aqui já está acostumado com a marca lá fora, nas prateleiras das lojas. Isso é referência para nossos produtos”, diz Schames, fazendo referência à forte presença da Netgear no segmento doméstico.
 
Plano para canais
Para fortalecer o relacionamento com os canais, a empresa deverá apresentar, ainda no primeiro trimestre, um plano de canais com metas, critérios para corpo técnico local e as facilidades na obtenção de equipamentos para demonstração.
 
O objetivo é vender não apenas os equipamentos, mas oferecer também pequenos projetos de consultoria e suporte aos clientes, num atendimento individual.
 
Segundo Oliveira, esse pode ser um dos diferenciais da Netgear.
 
“Nós não somos mais aquela empresa do roteadorzinho que o usuário tem em casa. Mas, apesar do crescimento, ainda temos um porte que nos permite dar atenção individualizada aos nossos clientes, e é isso que queremos cultivar nos canais”, completa o executivo.
 
Expansão
Entre as ofertas brasileiras da Netgear estão os storages ReadyNAS Duo v2 e ReadyNAS NV+ v2, além de um gateway UTM com tecnologia VDSL e capacidade Wi-Fi para pequenas empresas.
 
Além de ser a primeira em vendas de NAS com projetos até US$ 5 mil, e Netgear é a terceira no patamar até US$ 25 mil e a sexta no ranking geral do Gartner.