Tamanho da fonte: -A+A

O SindiTelebrasil estima que as empresas de telecomunicações terão um crescimento de 16% em 2011, frente ao resultado de 2010.

Matéria publicada pela Folha de S. Paulo nessa sexta-feira, 09, indica que, dentro do setor de telecom, a banda larga foi o segmento que mais cresceu, com avanço superior a 68%, com 24 milhões novos acessos obtidos ao longo do ano.

O diretor do sindicato, Eduardo Levy, diz à Folha que a ampliação do número de clientes dos serviços de telecomunicações foi responsável por manter o faturamento das empresas em alta, mesmo em época de estagnação do crescimento do PIB.

Conforme dados do sindicato, a base de assinantes da telefonia fixa, que vinha mantendo-se estagnada, deve crescer 2%, atingindo 43 milhões de clientes ao final do ano.

Levy, atribui a expansão ao crescimento da base de clientes da telefonia fixa às empresas autorizadas a prestar o serviço, a exemplo da GVT e da Net, que fornecem planos sem a cobrança de assinatura básica.

Ele ressaltou também o esforço das concessionárias de telefonia fixa, a exemplo da Telefonica e da Oi, que, para revitalizar o produto, passaram também a fornecer planos alternativos.

Serão 238 milhões só de acessos à telefonia móvel, com 35 milhões de novos celulares em 2011, um incremento de 17% no ano só na telefonia celular, estima a SindiTelebrasil.

Os investimentos também devem crescer.

O setor deve investir 30% mais do que em 2010 – cerca de R$ 23,5 bilhões, afirma Levy, ao jornal.

O faturamento do setor até o terceiro trimestre deste ano alcançou R$ 153 bilhões, ante R$ 138 bilhões em igual período do ano passado. Levy não quis adiantar, porém, a projeção das receitas das empresas até o final do ano, informa o Estado de S. Paulo.