Santanna: operadoras choram de medo

08/06/2010 17:08

A onda de reclamação das operadoras em relação ao Plano Nacional de Banda Larga é, na verdade, temor de uma vingança de seus “consumidores maltratados”, que fazem das teles e provedores os campeões de reclamação no Procon.

A afirmação é de Rogério Santanna, presidente do principal alvo dos protestos das teles: a Telebrás, gestora do PNBL.

Rogério Santanna

Tamanho da fonte: -A+A

A onda de reclamação das operadoras em relação ao Plano Nacional de Banda Larga é, na verdade, temor de uma vingança de seus “consumidores maltratados”, que fazem das teles e provedores os campeões de reclamação no Procon.

A afirmação é de Rogério Santanna, presidente do principal alvo dos protestos das teles: a Telebrás, gestora do PNBL.

“O choro é livre, mas a Telebrás não irá concorrer com as operadoras. Pelo contrário: criará oportunidade de expansão de mercados, já que expandirá a infraestrutura disponível para fornecimento de banda larga”, explicou Santanna, que palestrou no Meeting de TI da Federasul desta terça-feira, 08. “Hoje, por exemplo, a Telefônica domina São Paulo, mas não existe no Nordeste. Com a expansão da rede, poderá entrar e concorrer também neste mercado”, comentou o gaúcho, que já presidiu a Procempa.

A tal expansão infraestrutural envolve a implantação de backhaul em Brasília e mais 15 capitais do Sudeste, Nordeste e Norte brasileiros este ano, além de outras 100 cidades a serem definidas em breve, somando em torno de 11.357 quilômetros de rede. Até 2014, a meta é chegar a todas as capitais, entre outras diversas localidades, totalizando 30.803 quilômetros de backbone.

Mais velocidade, menos preço
Isso com aumento da velocidade e redução no preço da banda larga, que hoje consome cerca de 4,5% da renda mensal per capita do brasileiro, a um custo cinco vezes maior do que no Japão, por exemplo. Com o PNBL, Santanna projeta alcançar, este ano, banda larga de 512 Kbps (hoje, o pacote médio é de 256 Kbps) por R$ 35, com isenção do ICMS.

“Em 2009, o preço médio praticado era de R$ 49, o que equivalia a 256 Kbps de velocidade e beneficiava 11.999 milhões de domicílios. A projeção 2010/2014 é de que o preço diminua para até R$ 10, sem o ICMS, à velocidade de 512 Kbps, com limitação de download, chegando a 39.805 milhões de lares”, explicou o presidente da Telebrás.

Renegadas
Esta expansão do atendimento engloba chegar a um universo de mais de três mil cidades que o dirigente gaúcho define como "condenadas à desconexão eterna", já que as operadoras não têm interesse de chegar, devido à localização geográfica difícil, pequeno volume populacional, baixa atividade econômica e baixo nível de renda.

Desconcentrar
“Hoje, no Brasil, 95% dos consumidores de banda larga estão nas mãos de cinco operadoras: Oi, Telefónica, NET Embratel, CTBC e GVT. Disso, 85% ficam com apenas as três primeiras”, ressaltou Santanna.

Neste cenário, o PNBL irá fomentar a concorrência, permitindo não só que outras operadoras abocanhem mais mercado nem que as atuais manda-chuvas ampliem sua atuação, mas também que mais provedores se favoreçam do negócio da banda larga.

Menos preço também para os provedores
Para este segmento, o plano da Telebrás é atuar no atacado, na rede de transporte para os provedores, diminuindo o preço praticado do atual parâmetro de R$ 400 a R$ 900/Mb para cerca de R$ 230/Mb.

A conta
No total, o PNBL deverá consumir investimentos estimados em torno de R$ 13 bilhões, dos quais R$ 3,22 bilhões irão para a capitalização da Telebrás, R$ 1,75 bilhão para P&D, R$ 6,5 bilhões para linhas de crédito a serem fornecidas ao longo do plano, para fomentar a indústria local de telecomunicações; e R$ 1 bilhão para o fomento do mercado de lan houses, que hoje somam cerca de 109 mil estabelecimentos no país e são praticamente o único ponto de acesso à web para as classes C e E.

O restante será aplicado a estratégias de desoneração fiscal – do PIS e Cofins, por exemplo, para o setor de modens -, concessão de créditos e fundos para outras áreas, ampliação das próprias redes e locais de acesso, entre outras ações.

Regulamentação
A gestora do PNBL será estatutariamente consolidada dentro de 60 dias. A partir daí, começarão as negociações com operadoras, provedores, governos estaduais e municipais (para compartilhamento de redes e projetos de cidades digitais, por exemplo), entre outras.

Também começarão a ser postos em prática os marcos regulatórios previstos pelo PNBL, como a alteração dos processos de compras públicas nesta área.

Os leilões de radiofreqüência, por exemplo, serão alterados, não levando mais em conta somente o valor das propostas apresentadas, mas também a qualidade de serviço e capacidade de atendimento demonstrada pelos compradores.

Nas compras governamentais, também haverá o direito de preferência a equipamentos e soluções com tecnologia nacional, que poderão cobrir ofertas vencedoras, caso suas propostas sejam até 10% mais caras do que as inicialmente classificadas.

O PNBL também prevê ações de otimização da infraestrutura pré-instalada, como a obrigatoriedade de compartilhamento, nas esferas pública e privada, de estruturas como postes, torres e dutos.

Nome forte
Para Santanna, os planos da Telebrás para a banda larga brasileira já seriam suficientes para desmitificar sua imagem de “bicho papão” do mercado de Internet. Entretanto, para ele há ainda outro ponto a favor da estatal: a força de sua marca.

“A Telebrás é uma empresa constituída, em atividade e uma marca consolidada. Isso dá credibilidade! Em qualquer negociação do setor, por exemplo, só falar no nome Telebrás já abre portas para negociação de preços, projetos, tudo”, definiu o presidente.

Veja também

DEM reitera: vai questionar PNBL na Justiça

A liderança dos Democratas publicou um comunicado oficial reafirmando que irá questionar na justiça a política pública do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) do Governo Federal.

Na nota, o líder do partido na Câmara dos Deputados, Paulo Bornhausen, afirma haver temor do DEM sobre o uso político-eleitoral do projeto, cujo decreto oficial seria “todo embasado em generalizações".

Santanna, PNBL, e-Gov e mais no Conip 2010

O Plano Nacional de Banda Larga será um dos enfoques do Conip 2010 - Congresso de Inovação e Informática na Gestão Pública que acontece entre a terça-feira, 25, e a quinta, 27, no Centro Fecomercio de Eventos, em São Paulo.

Para tratar do PNBL, o palestrante será o gaúcho Rogério Santanna, atual presidente da Telebrás, estatal reativada para gerir a rede de fibras óticas do governo, que é a base do plano.

Operadoras questionam legalidade do PNBL

As empresas de telefonia cogitam recorrer à Justiça para tentar impedir a Telebrás de oferecer o serviço de internet rápida aos usuários finais, dentro do Plano Nacional de Banda Larga. A participação da estatal foi oficializada na quarta-feira, 05, pelo governo federal.

Presidente da Telebrás no Meeting de TI

O presidente da Telebrás, Rogério Santanna, é o convidado do Meeting de Tecnologia da Federasul, que acontece na terça-feira, 08.

Santanna falará sobre o PNBL - Plano Nacional de Banda Larga, das 12h às 14h, no Salão Nobre do Palácio do Comércio (Largo Visconde de Cairu, 17).

Santanna: em 2 meses, Telebrás pode licitar

O recém empossado presidente da Telebrás, o gaúcho Rogério Santanna, declara que seus próximos passos na estatal, gestora do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) serão colocar a empresa em operação em, no máximo, dois meses, lançar os editais licitatórios para contratar redes para o sudeste e nordeste e, até o fim de 2010, conectar 15 capitais e seis cidades interioranas.

Rogério Santanna é presidente da Telebrás

O secretário de Logística e Tecnologia da Informação (SLTI) do Ministério do Planejamento, o gaúcho Rogério Santanna, será o presidente da Telebrás, estatal reativada para gerir a rede de fibras óticas do governo, base do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Santanna, que já foi presidente da Procempa, já avisou que sua posse depende da publicação do decreto que instituirá o PNBL e da realização de uma assembléia de acionistas da empresa.

Abramulti: quem tem medo da Telebrás?
A Abramulti, entidade que representa os pequenos provedores de internet, divulgou uma provocativa nota nesta sexta-feira, 05, defendendo o plano do governo federal de reativar a Telebrás como provedora de serviços de acesso a Internet banda larga e criticando os opositores da medida.
Planalto aciona AGU no caso Dirceu/Telebrás
O governo federal acionou nesta terça-feira, 23, a Advocacia Geral da União (AGU) para rebater juridicamente a denúncia de que o ex-ministro José Dirceu teria feito lobby para beneficiar interesses privados no Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).