Respondendo por 10% das mensagens móveis atualmente, os messengers – como MSN ou Facebook - no celular podem ameaçar a receita das operadoras de telefonia com o SMS.

Segundo matéria publicada na Folha de S. Paulo dessa terça-feira, 03, o faturamento das teles brasileiras com dados chegou a 17% da receita de serviços no ano passado, ou R$ 10,2 bilhões.

Os SMSs respondem por 21%, o que pode fazer a  fatia dos mensageiros parecer pequena, mas o surpreende nessas ferramentas é o crescimento entre usuários móveis, já que em 2010, aponta a reportagem, a categoria era insignificante.

Segundo estudo da consultoria TNS Research com 1.320 brasileiros realizado nesse ano, 10% das mensagens no celular já correspondem a textos de comunicação imediata. De 286 mil usuários no país em março de 2010, a ferramenta saltou para 1 milhão em 2011.

Peso menor no bolso
Um dos atrativos, diz o jornal está no bolso. Com um plano de dados, o usuário pode trocar um número ilimitado de mensagens com os contatos que usam o mesmo programa sem precisar pagar a cada uma delas, como no SMS.

Caso os usuários migrem gradualmente para o messenger no celular, parte da receita com a venda dos pacotes de SMS poderia cair, alertaram especialistas ouvidos pela reportagem da Folha, afetando o caixa das teles.

Conforme a Folha, as operadoras discordam, negando a canibalização do SMS ou apontando a migração dos consumidores para outros serviços, sustentando a receita.

Além disso, há o desafio dos planos de navegação móvel por preço fixo, que permitem ao usuário ficar conectado o dia todo, afetando o uso da rede.

Leia a matéria da Folha de S. Paulo (para assinantes) nos links relacionados abaixo.