Um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) no mesmo formato do Luz para Todos é o que defendem as operadoras de telefonia no Brasil, segundo matéria do jornal Estado de S. Paulo publicada na semana passada.

Citando uma fonte que acompanha as negociações, a reportagem revela que a proposta em negociação prevê a expansão da banda larga de forma semelhante ao programa de energia elétrica.

Na prática, a infraestrutura necessária seria financiada com desoneração tributária conforme a faixa de consumo e recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Os benefícios para o PNBL serão concedidos por velocidade da banda larga, fazendo uma espécie de "linha da pobreza".

Ainda em fase de discussão, a proposta não teve limites de desoneração, volume de financiamento ou mesmo critérios para classificação definidos.

Uma das propostas, revela o jornal, é a cobrança a mais dos usuários que não se encaixarem nos critérios de benefícios do PNBL.

No caso da energia elétrica, consumidores inscritos no cadastro de benefícios dos programas do governo pagam mais barato pelos quilowatts consumidos. Os que não se enquadram na regra pagam mais.

Leia a matéria do Estado de S. Paulo no link relacionado abaixo.