Tamanho da fonte: -A+A

A Stefanini comprou a processadora de cartões Orbitall, controlada pelo Itaú Unibanco.

 
É o que afirma uma matéria da Exame.com, citando duas pessoas com conhecimento da transação que não tivera os nomes revelados.
 
A Orbitall registrou receita líquida de R$ 529,7 milhões com vendas em 2009, segundo dados da Bloomberg.
 
Em seu site, a empresa afirma ser “líder de mercado entre as processadoras independentes”, com 30 milhões de cartões emitidos. O mercado hoje está nas mãos do antigo duopólio Cielo e Redecard, que juntos detém mais de 90% de participação.
 
Stefanini e do Itaú não quiseram comentar o assunto para a reportagem da Exame.com.
 
O Itaú, o maior banco da América Latina por valor de mercado, aumentou sua participação na Orbitall de 33,3% para 100% em 2004 pagando R$ 280 milhões ao Citigroup ao Unibanco, banco que também acabou adquirido pelo Itaú em 2009. 
 
Nos últimos 11 meses, a Stefanini investiu US$ 100 milhões de dólares na aquisição de duas empresas nos Estados Unidos, a TechTeam Global Inc e a CXI, e de uma na Colômbia, a Informática & Tecnologia, segundo anunciado em seu website. 
 
Outros R$ 120 milhões estão reservados para aquisições até 2013, 60% destinados a compras fora do Brasil, disse a empresa. A Stefanini, presente em 28 países, estima obter receitas de R$ 1,25 bilhão neste ano.
 
Mercado de cartões em ebulição
Com o fim dos contratos de exclusividade de Cielo e Redecart com a Visa e Mastecard, em 2009, o mercado de processamento de cartões no Brasil entrou em ebulição.
 
Uma das primeiras movimentações foi a parceria entre o Santander e a gaúcha GetNet, em 2010. Até agora os parceiros conquistaram 1,5% do mercado, mas o banco espanhol já divulgou metas de quintuplicar a participação.
 
É esperada para fevereiro de 2012 o início da operação no Brasil da Elavon, uma multinacional com faturamento de estimados US$ 5 bilhões em 2010, que pretende conquistar 15% do mercado nacional até 2015.