A empresa brasileira de sistemas de informações geográficas (GIS) Imagem lança a solução de software Cidade F@cil, voltada para governos municipais.

O foco da solução são as áreas de Planejamento, Finanças, Meio Ambiente, Obras e Saúde de prefeituras que não dispõem de técnicos e nem informações que otimizem a gestão fundamentada em dados geográficos de seu território.

No Brasil há cerca de 5.563 mil municípios, calcula a Confederação Nacional de Municípios (CNM). Desses, 5,3% foram considerados carentes o suficiente para receber obras do PAC. Apenas nessa primeira etapa, foram R$ 2 milhões destinados a essas cidades.

Segundo Erick Sobreiro, gerente de soluções para governo da Imagem, o software do Cidade F@cil permite o processamento, análise e avaliação de cenários que facilitam a administração pública. “Essas informações são disponibilizadas visando o apoio técnico às iniciativas de planejamento dos municípios”, diz Sobreiro.

Em 2008, a empresa já havia lançado um programa para municípios com até 300 mil habitantes, visando a facilitar a compra de sistemas de informações geográficas.

Recursos da Cidade F@cil
Mapas estratégicos como uso e ocupação do solo, declividade, potencial de risco de alagamento, curvas de nível e bacias hidrográficas, fazem parte do conteúdo.

Além disso, entra no pacote um curso técnico específico de cinco dias para uso das ferramentas.

A solução conta com suporte e atualização pelo período de 12 meses. Para os dados geográficos, a atualização será disponibilizada sempre que houver novos conteúdos, podendo incluir sugestões de atualização apontadas pela própria prefeitura.

Na rota dos R$ 85 milhões
Fundada em 1986, a Imagem tem, segundo dados próprios, 25% de participação no mercado nacional do setor de sistemas de informações geográficas. Também focada na área de Utilities, a empresa oferece soluções para energia e saneamento.

No ano passado, a companhia sediada em São José dos Campos (SP) obteve R$ 74 milhões em vendas.

Autointitulada líder de mercado em Sistemas de Informações Geográficas (GIS) na América Latina, a empresa espera obter alta de 15% em 2011, chegando a R$ 85 milhões.