Leandro Sieben

A Instituição Evangélica de Novo Hamburgo (IENH) firmou uma parceria com a uruguaia Artech com foco no suprimento da demanda do mercado gaúcho por programadores na linguagem GeneXus.

O acordo prevê a capacitação e certificação de 11 professores da entidade, que em fevereiro de 2012 começam a trabalhar o GeneXus no curso Técnico de Informática, com meta de formar 55 alunos até agosto.

“O número certamente subirá, já que temos mais de 120 alunos neste curso, nas unidades de Novo Hamburgo e Igrejinha”, conta Leandro Sieben, coordenador da operação de Igrejinha.

Outra meta prevista na parceria é oferecer, ainda em 2012, também cursos de extensão na plataforma da Artech, com duração de 40 a 80 horas, em formato tecnólogo.

“Temos, hoje, cerca de 550 empresas conveniadas à IENH para estágio, e muitas delas apontam para uma carência do mercado em profissionais qualificados em GeneXus. Queremos suprir esta demanda”, salienta Sieben.

O acordo firmado com a Artech, que vai até 2014, nasceu de uma visita de uma turma de 42 alunos da IENH ao Encontro GeneXus, realizado em setembro passado em Montevidéu.

“Os alunos ficaram muito empolgados com a ferramenta, muito por sua estrutura multiplataforma, que permite desenvolver para diversos sistemas, incluindo os móveis – Android, iOS, todos”, ressalta Sieben.

Já Gerardo Wisosky, country manager da Artech no Brasil, destaca que a parceria faz parte da estratégia para ampliar o número de desenvolvedores no país, que é, ao lado do Japão, o mercado líder para a empresa.

Hoje, a plataforma GeneXus é vendida em mais de 60 países, com presença direta ou via distribuidores em 35 deles, sendo seis no Brasil: BXT, CPMTI, Dash, Heurística, Heurys e That One.

Conforme Breogán Gonda, presidente da companhia que para este ano projeta crescimento por volta de 20% na receita, o país compartilha com os japoneses  uma participação em torno de 15% nos negócios.

E para seguir crescendo, a aposta está nas parcerias: além da IENH, a Artech mantém convênios no Brasil com as gaúchas Unisc, Sociedade Educacional Três de Maio (Setrem), GX2 e BXT, e as catarinenses Universidade do Vale do Itajaí e Instituto Gene Blumenau (da FURB).

Há, ainda, parceiros em São Paulo, como Fatecs Três Rios e Praia Grande, Dash Tecnologia e Heurística.
 
A campinense Heutech completa a lista.

“Estamos empenhados em qualificar e capacitar mais jovens que queiram aprender sobre a ferramenta. É um passo fundamental para o crescimento da tecnologia no País”, explica Wisosky.

O GeneXus permite criar, desenvolver e manter aplicações multiplataforma de missão crítica.

Nascida em 1985, mas oficializada comercialmente em 88, a plataforma de desenvolvimento de software uruguaia traz até hoje o que Gonda identifica como o diferencial que não lhe deixa concorrentes: tudo, desde a captura de demandas que gerarão novos desenvolvimentos, até a última aplicação usada na ponta pelo cliente final, é automático.

“O tradicional é planejar, desenhar, projetar e depois programar milhões de linhas de um sistema, tudo na mão. Nós não fazemos isso, oferecemos uma máquina de fazer sistemas”, explica o presidente da Artech. “Com isso, se pode aumentar a produtividade de desenvolvimento em duas mil vezes, além de economizar em manutenção, que é 100% automática”, complementa.

A plataforma também permite a adequação das empresas usuárias a mudanças no ambiente de TI, como a migração para cloud computing.
Mobilidade é outra área no foco do GeneXus, que possibilita o uso de aplicativos criados na plataforma em qualquer sistema.