JF-PR: rumo à virtualização total

25/10/2011 17:31

A Justiça Federal do Paraná (JF-PR) reduziu de 100 para 40 os servidores de seu parque com um projeto de virtualização assinado pela curitibana Zeittec e que, até agora, já reduziu em 40% o consumo de energia no órgão, que projeta migrar, até o fim deste ano, toda a estrutura para a nuvem.

O projeto é baseado em tecnologias de infraestrutura de rede da Attic, Furukawa e IP Metal, distribuídas pela Delta Cable.

Tamanho da fonte: -A+A

A Justiça Federal do Paraná (JF-PR) reduziu de 100 para 40 os servidores de seu parque com um projeto de virtualização assinado pela curitibana Zeittec e que, até agora, já reduziu em 40% o consumo de energia no órgão, que projeta migrar, até o fim deste ano, toda a estrutura para a nuvem.

O projeto é baseado em tecnologias de infraestrutura de rede da Attic, Furukawa e IP Metal, distribuídas pela Delta Cable.

Conforme Carlos René dos Santos Bascunan, técnico judiciário da Seção de Redes e Infraestrutura da JF-PR, a média de 40% não foi verificada só em economia energética, mas também de custos operacionais.

Além disso, a renovação do data center agilizou os processos administrativos, já que unificou a comunciação entre usuários de todas as 16 unidades da Justiça Federal espalhadas pelo Paraná.

“Virtualizadas, as aplicações não ficam restritas a um único computador, otimizando o trabalho. E os usuários nem percebem que estão compartilhando recursos”, destaca Bascunan.

Os investimentos no novo data center incluíram infraestrutura de rede e de backbone óptico Furukawa, com instalação de 540 pontos de cabeamento metálico em categoria 6A, 2160 pontos de cabeamento metálico 5e, 84 MPO (Multi-Fiber Push On) – totalizando 1008 fibras passadas -, além de 1,5 mil metros de cabos ópticos para cabeamento vertical e 44 distribuidores internos ópticos (DIOs), com 1056 portas.

A implantação, pela qual a Zeittec respondeu após vencer a licitação no segundo semestre de 2010, incluiu, ainda, racks ITMAX da Furukawa e racks de servidores Attic e IP Metal.

O sistema de energia do data center foi projetado pela própria Zeittec, e, segundo Claudenir de Oliveira, diretor de Negócios da companhia, garante a redundância de circuitos elétricos estabilizados para cada servidor.

A solução se baseia em no-breaks de 80KVA e sistemas de monitoramento, Circuito Fechado de TV (CFTV) e de controle de acesso.

Conforme Oliveira, o data center também conta com redundância completa, operando em rede local a 10 GbE para distribuição de acesso aos usuários internos.

Já em rede de longa distância (WAN), a estrutura opera com links de operadoras de telecom em velocidades de 2, 4 e 8 Mbps para acesso pelos usuários de todas as 16 unidades da Justiça Federal espalhadas pelo estado.

Obra
A renovação do data center começou pela construção de uma nova sala, de 75 m2, instalada na também recentemente instaurada nova sede da Justiça Federal do estado, em Curitiba.

Houve, ainda, investimento em sistema de biometria digital.

Assim como o ambiente de câmeras de acesso, este sistema é interligado ao NOC (Network Operation Center), ao Departamento de Informática e às Salas de Telecomunicações do órgão, para distribuição de acesso em cada um dos oito andares das duas torres de edifícios da sede.

“Buscávamos uma solução definitiva neste projeto, que permitisse prever futuras expansões sem perder o legado”, comenta Bascunan. “E estamos satisfeitos: da licitação até hoje, tudo flui muito bem, não temos do que reclamar”, finaliza.

Selo Verde
Com a eficiência energética conquistada, o novo data center da Justiça Federal paranaense também recebeu o Selo Verde do  Programa Green IT da Furukawa.

Além de adotar novos equipamentos da companhia voltados à economia de energia, a obra também contou com reciclagem de cabos e componentes de geração anteriores.

No total, foram 140 kg de materiais, que serão transformados novamente em matéria-prima para aproveitamento por outras indústrias, segundo divulgado pela Furukawa.

Veja também

TJ-RS virtualiza justiça

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul dará em dezembro o primeiro passo para um processo judicial sem papel, em um projeto que terá desdobramentos ao longo de anos.
 
Os primeiros procedimentos a serem virtualizados serão os agravos de instrumento, utilizados pelos advogados para recorrer de decisões dos juízes durante o processo, antes da sentença, e as ações de segundo grau, recursos sobre sentenças proferidas pelos magistrados em primeira instância.
 

Virtualização lidera investimento em data center

A Network World acaba de divulgar uma pesquisa sobre prioridades de investimentos em data centers nos próximos dois anos.

No estudo, de 376 gestores entrevistados, 53% afirmaram que vão priorizar gastos com manutenção, enquanto 47% vão focar novos investimentos, sendo o principal deles a virtualização.

Semeato: virtualização com VMware e NetFive

A Semeato, fabricante de máquinas e implementos agrícolas com sede em Passo Fundo e sete unidades no Rio Grande do Sul e Minas Gerais, contratou um projeto de virtualização da NetFive, baseado em tecnologia VMware.

Com um parque de TI que reúne mais de 20 servidores e cerca de 400 estações de trabalho, a Semeato iniciou a virtualização, baseada na plataforma vSphere, pela migração da infra de armazenamento.

HP: servidores com MS para virtualização

A HP incrementou sua linha de servidores com recursos pré-configurados para virtualização

A companhia agregou software Hyper-V da Microsoft a soluções como o HP VirtualSystem, que promete tornar mais rápido o processo de virtualização de aplicações, incluindo SharePoint, Exchange Server e SQL Server.

Cisco e Citrix: parceria em virtualização

A Cisco e a Citrix firmaram uma parceria focada no desenvolvimento e venda de soluções para virtualização de desktops e aplicativos para PCs, Macs, tablets, smartphones e thin clients.

A aliança também foca o mercado de datacenter, com soluções de infraestrutura para acelerar a implementação de serviços de cloud.

Trino Pólo: virtualização e cloud em Caxias

O Trino Pólo promove o seminário “Virtualização e Cloud Computing”, entre 23 e 25 de agosto, das 19h30 às 22h, na Faculdade de Tecnologia – FTEC (Rua Gustavo Ramos Sehbe, 107), em Caxias do Sul.

O evento conta com apresentações de cases voltados ao modelo cloud, além das palestras Virtual Computing - Um novo conceito, Nos Limites da Virtualização e Minha infraestrututura está preparada para as nuvens.

Cimcorp quer dobrar projetos de virtualização

A Cimcorp, especializada em serviços para otimização de performance, contingência e alta disponibilidade de TI e gestão de infraestrutura de TI, projeta dobrar o número de projetos de virtualização em 2011.

A companhia, que em 2009 possuía 14 projetos na área, fechou o ano passado com aumento de 230% na carteira deste segmento, que hoje inclui nomes como Sabesp, Banco Safra, CTBC, Eletrobrás e BNDES-RJ, entre outros.

IDC debate virtualização e infraestrutura

A IDC Brasil, consultora de mercados, realizará o roadshow IDC LA Infrastructure and Virtualization, entre 20 e 21 de setembro, das 8h30 às 17h, na Vila Noah (Rua Castro Verde, 266), em São Paulo.

O evento visa discutir o cenário e os desafios relacionados à complexidade de manutenção e gerenciamento da infraestrutura da área de TI.

CA: sem automação, virtualização decepciona

Uma pesquisa da  UBM TechWeb encomendada pela CA junto a  460 tomadores de decisão de TI em empresas de médio e grande porte apontou que  60% desses executivos estão desapontados com a economia de custos gerada pela virtualização.

Datadrome: virtualização com 70% de desconto

A porto-alegrense Datadrome, especializada em hospedagem web e infraestrutura de data center, lança uma série de descontos para sua oferta de Servidor Dedicado Virtual, maior aposta da companhia para expandir em 25% o faturamento em 2011, sobre 2010.

A oferta inclui a possibilidade de contratar, ao longo de todo este ano, um servidor dedicado em nuvem sem pagar pelo primeiro mês de serviço, em caso de assinatura por 12 meses.

Paraná entra na briga pela Foxconn

A Copel manifestou oficialmente sua intenção de atrair os investimentos da Foxconn para o Paraná.

Estatal da energia paranaense, a empresa disse que vai “avaliar possíveis investimentos na área de energia com o intuito de viabilizar a atração da Foxconn para o Estado do Paraná”, revela nota da .

No Paraná, as candidatas seriam Londrina e Maringá.