CrediPronto poupa R$ 200 mil/ano com Safe-Doc

22/08/2011 10:56

A CrediPronto, joint venture do Itaú e grupo LPS Brasil especializada em financiamento imobiliário, aposta na digitalização de documentos para economizar R$ 200 mil, em um ano, com redução do gasto com papel e arquivamento.

O projeto, iniciado recentemente com a solução Safe-Doc, da Acesso Digital, tem investimento de R$ 13 mil mensais e estimativa de retorno em torno de R$ 15 mil mensais tanto em economia quanto em ganho de produtividade.

Tamanho da fonte: -A+A

A CrediPronto, joint venture do Itaú e grupo LPS Brasil especializada em financiamento imobiliário, aposta na digitalização de documentos para economizar R$ 200 mil, em um ano, com redução do gasto com papel e arquivamento.

O projeto, iniciado recentemente com a solução Safe-Doc, da Acesso Digital, tem investimento de R$ 13 mil mensais e estimativa de retorno em torno de R$ 15 mil mensais tanto em economia quanto em ganho de produtividade.

O trabalho compreende a digitalização de todos os documentos necessários para liberação de crédito imobiliário.

“O uso de documentos digitais dá agilidade e segurança à concessão de crédito, ao inibir fraudes, além de reduzir custos com papel - as impressões cairão quase a zero”, afirma Bruno Gama, diretor de Operações da CrediPronto. “O envio e arquivo de documentos também traz economia, já que agora tudo é no ambiente digital”, complementa.

Presente em mais de 400 pontos em todo o país e com volume vendido acumulado de R$ 1,1 bilhão em financiamentos até maio deste ano, a CrediPronto afirma ser a primeira empresa do segmento a adotar o processo de digitalização de documentos.

Segundo Gama, a digitalização estará em todos os pontos de contato com os tomadores de empréstimo, alterando o processo “totalmente” em relação ao modelo atual.

Antes, todos os documentos eram encaminhados via malote para a sede da empresa, onde eram analisados para formalização do contrato, e retornavam ao cliente.

Com a digitalização, tudo é escaneado pelos consultores nas imobiliárias e, então, disponibilizado diretamente no sistema de gerenciamento dos processos da CrediPronto, onde o material é analisado e o contrato é emitido.

“Eliminamos todo o fluxo de papel até a emissão do contrato”, comemora Gama. “Apenas dois documentos precisam sempre ser arquivados e mantidos em sua forma original: a matrícula do imóvel e a declaração de saúde, que são recepcionados junto ao contrato de financiamento já registrado em cartório, no final do processo”, acrescenta.

Com a redução de uso de papel, a empresa consegue também melhorar suas ações de sustentabilidade ambiental.

Segundo o diretor de Operações, a estimativa é que em cinco anos, com o Projeto Digitalização, a CrediPronto deixe de produzir e acumular 50 toneladas de papéis.

O sistema também permite o controle mais apurado do trabalho dos consultores comerciais e analistas operacionais da companhia, inclusive com indicadores obtidos de imediato, como o tempo de processamento de cada analista e o tempo e controle dos contratos em fila.

“Desenvolvemos um checklist eletrônico no qual conseguimos controlar os documentos recepcionados e agilizar a formalização dos contratos.

Há relatórios, indicadores de qualidade, todo gerenciamento é online. Pela organização, facilidade de consulta e sinergia com o consultor comercial, o processo tornou-se ainda mais rápido”, destaca Jonas Jeremias, gerente de Operações e Processos da CrediPronto.

Já Alex Yamamoto, consultor da Acesso Digital, explica como o Safe-Doc combate fraudes no processo de crédito.

“Com a digitalização feita na hora da solicitação do crédito, é possível conferir a documentação de forma rápida, evitando problemas futuros”, salienta ele.

Em menos de três anos de mercado, a CrediPronto apresenta crescimento médio de 12% ao mês, tendo finalizado 2010 com R$ 707 milhões em sua carteira de financiamentos, totalizando R$ 600 milhões de valor financiado ao longo do ano.

Já a Acesso Digital tem matriz em São Paulo e unidades em Porto Alegre, Curitiba, Rio de Janeiro, Recife e Belo Horizonte.

Conforme dados da empresa, o Safe-Doc está presente em cerca de 85% dos setores da economia brasileira, atendendo a mais de 1 milhão de usuários, em uma carteira que em 2010 subiu de 430 para 800 clientes.

Entre os atendidos, nomes como Bradesco, Itaú, BMW e Marisa.

Veja também

Metrovel: 60% menos custos com Acesso Digital

A Metrovel, rede gaúcha de concessionárias de veículos, reduziu em 60% os custos com impressão e arquivamento de documentos depois de adotar o Safe-Doc, solução de digitalização da Acesso Digital.

Acesso Digital: 7 unidades para dobrar até 2012

A Acesso Digital, empresa de digitalização de documentos que no ano passado faturou  R$ 7 milhões e abriu unidades em  Porto Alegre, Rio de Janeiro e Recife, projeta nova expansão física para 2011.

A companhia planeja a abertura de sete novas unidades este ano, com foco nos estados de Minas Gerais, Paraná e Bahia.

Com a expansão, a expectativa da empresa é dobrar de tamanho até 2012.

Acesso Digital cresce 200% e chega a R$ 7 mi

A Acesso Digital, especializada em digitalização de documentos, faturou  R$ 7 milhões em 2010, alta de 200% frente a 2009. O número de clientes passou de 430 para 800.

Ao longo do ano, a companhia abriu unidades em  Porto Alegre, Rio de Janeiro e Recife
 
Para 2011, a meta é crescer 100% e atingir R$ 14 milhões. O objetivo é chegar a 10 unidades pelo país.

Quero-Quero vai de Acesso Digital
A Quero-Quero, maior rede varejista do interior do Rio Grande do Sul, acaba de adquirir os serviços de digitalização de documentos da Acesso Digital.
 
Com a tecnologia, implementada nas 174 lojas da rede, o objetivo é garantir segurança nas ações de concessão de crédito para clientes dos cartões Private Label VerdeCard.
 
Clientes embalam Acesso Digital no RS
Dois novos clientes de peso animaram as projeções da Acesso Digital para a região Sul, onde a companhia de soluções de segurança abrirá uma unidade até o final do ano.

A companhia, que agregou à carteira o Grupo Paquetá e a rede Quero-Quero no fim de 2009, pretende tornar o Rio Grande do Sul seu segundo maior mercado no país, em faturamento – posição hoje ocupada pelos estados da região Nordeste - atrás apenas de São Paulo.
Acesso Digital adquire dotBR por R$ 2 mi
A Acesso Digital, fornecedora de soluções para digitalização de documentos, acaba de adquirir a dotBR, empresa desenvolvedora de softwares de gerenciamento de documentos e workflow.

A aquisição, avaliada em cerca de R$ 2 milhões, faz parte do plano de crescimento da companhia, que pretende aumentar em 30% o faturamento em relação ao ano anterior e chegar a 350 clientes.
Keepers: digitalização chegará a 50%

O mercado de gestão documental deve, em breve, ser totalmente dominado pela digitalização, em decorrência do forte aumento da velocidade de adesão das empresas às consultas de documentos na forma digital.

É o que avalia Eduardo Coppola Gutierrez, presidente da ABGD- Associação Brasileira das Empresas de Gerenciamento de Documentos.

IBM patrocina digitalização do Museu Imperial
Com o apoio da IBM, o Museu Imperial de Petrópolis, localizado no estado do Rio de Janeiro, lança um projeto de digitalização de seu acervo.

Através do sistema, os interessados na história do período imperial brasileiro poderão acessar o acervo através da internet. A previsão é digitalizar todo o acervo em até 10 anos.
SIJ: novo modelo, expansão e rumo ao IPO!

A porto-alegrense SIJ caminha de uma empresa familiar que entrega soluções de clipagem para se tornar uma holding de TI, focada em crescer 120% e abrir quatro novas unidades em 2011, além de fazer IPO e iniciar vendas para o exterior até 2014.

Só entre janeiro do ano passado e deste, a empresa aumentou sua carteira de clientes em mais de oito vezes. O motivo do “boom” foi a aposta no desenvolvimento de soluções, especialmente com base na plataforma Google.