Marcos Covre

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa do Cidadão de Santa Catarina (SSPDC-SC) está em fase de implantação de um sistema de informações geográficas (GIS) da Esri para otimizar ações de prevenção ao crime. O projeto receberá investimento total de R$ 1,3 milhão e irá mapear as regiões com maior concentração de criminalidade no estado, avaliando quais as ocorrências mais comuns em cada localidade.

Com base nestas análises, a intenção da secretaria é otimizar a gestão da frota policial nas ruas, agilizar os despachos das ocorrências pelas Centrais Regionais de Emergências (CRE) e os serviços de ronda e prevenção.

A meta é concluir o projeto dentro de seis meses. A solução utilizada é o Crime Analyst, produto de GIS da Esri vendido no Brasil pela Imagem. Já a implementação fica a cargo da catarinense VisãoGeo.

“Antes de iniciar a implantação, realizamos um projeto-piloto em junho, na Academia da Polícia Militar da Trindade,  durante a última Festa da Santíssima Trindade, em Florianópolis”, conta Fabiano dos Santos, diretor da VisãoGeo. “Na oportunidade, a PM mapeou o histórico das irregularidades na região do evento e reforçou as ações preventivas nas áreas críticas, reduzindo em 75% as ocorrências policiais durante a edição de 2009”, complementa.

Já o diretor da Imagem, Marcos Covre, explica que o sistema é o mesmo utilizado pela área de inteligência da polícia inglesa. No Brasil, outro cliente da ferramenta é o governo do Espírito Santo.

“A solução oferece funcionalidades como criação de mapas de criminalidade, identificação da evolução das densidades de crime, análise geográfica de jornadas de furto e avaliação de jornadas de crime com base na junção de uma série de crimes de um único indivíduo, sendo possível analisar a trajetória de deslocamento para realizar os crimes”, destaca Covre.

Além disso, o sistema possibilita ligar séries de incidentes com base nas datas e horários da sequência em que ocorreram, e, posteriormente, adicionar esta rede ao mapa. Também é possível criar zonas de buffer de ocorrências, utilizando unidade de distância e tempo para análise de proximidade.

Com 25% de share no mercado brasileiro de Sistemas de Informações Geográficas (GIS), a Imagem oferece soluções de TI espacial, como imagens de satélites de alta, média e baixa resolução e de radar, mapas territoriais de múltiplas escalas e temas, entre outras.

A carteira de clientes da empresa traz organizações públicas e privadas, como Eletropaulo, Embrapa, Oi, governo de Goiás e Petrobrás. Em 2009, o faturamento da companhia ficou em R$ 55 milhões.

Sediada em São José dos Campos, a Imagem também mantém unidades no Rio de Janeiro, Brasília, São Paulo, Recife e Salvador. Além disso, este ano investiu R$ 6 milhões para ampliar sua participação no mercado norte-americano, onde possui uma filial.

O investimento, voltado à abertura do mercado dos EUA para exportação de tecnologia nacional, é focado na divulgação do carro-chefe da empresa, o pacote GISConneX, que integra soluções de geotecnologia e de gestão da SAP.

Voltado a empresas de utility usuárias do ERP SAP, o GISConneX é a aposta da companhia para que os negócios no exterior sejam responsáveis por 20% a 25% da receita nos próximos anos.

O novo software da Imagem foca o mercado de energia e promove o mapeamento de equipamentos e subestações, de acordo com sua localização geográfica, para facilitar o trabalho de gestão e solucionar problemas em caso de falhas.

Esse gerenciamento é realizado de forma integrada com informações contábeis e financeiras do ERP, fornecendo custos de manutenção para acelerar a tomada de decisão. O GISConneX é compatível somente com o sistema de gestão da SAP.