Borba apresentou o Comply. Foto: Baguete Diário

Tamanho da fonte: -A+A

A Sonda IT vende, a partir dessa quinta-feira, 12, o Comply, uma solução de governança e compliance fiscal 100% na nuvem.

Com base na tecnologia .NET Framework 4.0 - o que restringe o uso ao Windows em desktops - o Comply será comercializado no modelo de SaaS, com assinaturas custando a partir de R$ 400 por usuário.

Foram R$ 5 milhões investidos num projeto que teve quatro anos de desenvolvimento até a versão final, lançada na noite dessa quarta-feira, 11, em São Paulo.
 
Com a meta de chegar a 50 clientes no primeiro ano de operação, a ferramenta marca uma guinada da empresa para a cloud computing, que deverá manter ativa a sua solução atual até 2015. Depois disso, a ideia é que todos os clientes da empresa, inclusive os 500 já usuários do sistema instalado estejam no Comply.
 
"É claro que o software com licensa ainda nos dá muita receita, e continuará dando, mas a nossa estratégia é essa aposta na nuvem", diz Eduardo Borba, vice-presidente da unidade de Aplicativos da empresa.
 
Aposta alta
Nas contas da Sonda, cada cliente deverá ter de dois a três usuários, o que deve render à empresa R$ 60 mil ao mês, ou R$ 720 mil por ano, quando a meta for atingida.
 
Hoje, o custo de manutenção dos projetos da solução fiscal em desktop é de R$ 4 mil ao mês, para 500 clientes.
 
"Devemos ter um ganho grande não só na solução, como nos serviços", diz o executivo.
 
O foco do Comply são empresas de todos os portes, inclusive startups, que talvez não tenham dinheiro para investir em infraestrutura e armazenar soluções complexas de contabilidade, mas precisem estar em dia com o fisco.
 
Canais, ofertas e contadores
Na prática, são dois movimentos.
 
O primeiro, migrar os clientes da plataforma antiga. Para atraí-los, a Sonda estuda uma forma de pagamento em que o usuário não perca o investimento inicial na tecnologia já existente, como um crédito na implementação do Comply.
 
No segundo esforço, o de atrair novos clientes, a empresa deverá oferecer facilidades de pagamento, como diluir o valor do projeto inicial para iniciar a operação no primeiro ano de uso, elevando as 12 mensalidades iniciais.
 
Também entram no jogo da prospecção os 17 canais da empresa no Brasil e, futuramente, até escritórios de contabilidade, que deverão ter um sistema de cobrança diferenciado, por cliente inserido na ferrameta, dentro do SaaS.
 
SAP, Oracle e IBM na parceria
Parceira da SAP na venda da tecnologia Business One Cloud (B1), a Sonda apostará em outras parcerias similares com ERPs e outras ferramentas de gestão.
 
Segundo os executivos, o Comply é compatível com qualquer ferramenta de ERP ou BI.
 
"Os clientes podem ter em casa qualquer um desses, ou outros, softwares. Claro, os clientes SAP são o nosso forte, como herança da Prockworks, mas não nos restringimos a eles", diz Borba.
 
Além disso, essas empresas poderão ser, no futuro, parceiros em venda do Comply.

Tudo em casa, no navegador
Em todos os casos, nenhum software é instalado na máquina. Tudo roda via navegador, no Internet Explorer.
 
De acordo com o diretor de P&D da unidade de aplicativos da Sonda, Leonardo Nogueira, a ideia é entregar aos usuários uma ferramenta de análise, e não apenas de execução das rotinas fiscais, disponível  100% do tempo em qualquer máquina.
 
Ainda que o assunto seja complicado, a interface promete simplicidade, com cara de Microsoft Office e recursos de Excel - como tabelas dinâmicas.
 
A solução possui módulos de calendário de gestão de obrigações fiscais através dos quais é possível saber o andamento das rotinas tributárias, cruzar informações potencialmante conflitantes e chegar a níveis de detalhe como a nota fiscal que gerou a obrigação tributária em análise.
 
"Queremos dar condições aos clientes de gerir essa parte com eficiência sem se preocupar com as complicações da área tributária brasileira", diz Borba.
 
Compliance descomplicado
Por "complicações", o executivo refere-se à mudanças nas legislações fiscais.
 
Somente o SPED teve 10 alterações antes de chegar no enquadramento final. O EFD teve 5 mudanças e, diariamente, mais de 30 normas são editadas nos municípios, estados e federação.
 
"Nós fazemos um grande monitoramento para manter os clientes atualizados já hoje, com a solução atual. Mas, cada vez que algo muda, eu tenho que contar com a preocupação do cliente para conferir o meu site e baixar as atualizações. Com o Comply, eu faço tudo em casa, e ele recebe pronto", destaca Borba.
 
Na espera pelos tablets
Apesar de ser uma solução na nuvem, faltou ao Comply a opção de rodar em múltiplos dispositivos, como tablets.
 
"Isso está nos planos, mas temos que ver que se trata de uma solução de uso mais intenso em desktop", relembra Nogueira.
 
O calendário de implementação, no entanto, prevê alguns recursos, como o calendário de gerenciamento das obrigações fiscais, em tablets com o Windows 8 - nova plataforma da Microsoft aguardada para esse ano, e que deverá rodar em tablets.
 
"Nada nos impede, também, de desenvolver para outros aparelhos, como o iPad", finaliza Borba.
 
Com R$ 800 milhões de receita bruta em 2011 no Brasil, a Sonda deverá ter entre 10% e 15% do indicador vindo da área de canais em 2012, carro-chefe de vendas do Comply.
 
Hoje, a área fiscal responde por 60% da receita bruta da empresa.

Guilherme Neves viajou a São Paulo a convite da Sonda IT.