Tamanho da fonte: -A+A

Os passos da Microsoft na computação em nuvem continuam dando dor de cabeça, e às vezes cortando algumas.

Nessa terça-feira, 11, o presidente da divisão de servidores e ferramentas corporativas da empresa, Bob Muglia, acertou sua saída, e gerou grande especulação sobre os motivos da demissão, que vão de insatisfação interna com a estratégia de cloud computing ao esgotamento psicológico de Muglia.

Com 23 anos de carreira, o executivo teve sua saída anunciada pelo próprio CEO, Steve Ballmer.

Em e-mail, Balle disse que o afastamento "é simplesmente o reconhecimento de que todos os negócios passam por ciclos e precisam de novos e diferentes talentos para atravessar esses ciclos".

Segundo o site da Computerworld, analistas relacionam a saída à cloud computing.

Para Jeffrey Hammond, da Forrester, “pode haver alguma frustração quanto à lentidão da transição. Embora a plataforma Azure demonstre avanços, ainda não conseguiu uma posição de frente como a da rival Amazon EC2”.

Muglia liderou o desenvolvimento do Microsoft Office, Windows NT, serviços online, do Windows Server, SQL Server, Visual Studio e o System Center, entre outros. Mais recentemente dirigiu a entrada da Microsoft no universo do cloud computing, com a plataforma Azure.

Ray Ozzie escanteado em outubro
Em outubro, Ray Ozzie saiu da função de CSA (Chief Software Architect). Na época, a saída de Ozzie, também evangelista de cloud computing na Microsoft nos últimos anos, foi vista como indicação de que na briga entre a nuvem e o desktop, o modelo de negócios tradicional da companhia está vencendo.