Selene Sidney, gerente de Marketing da ABC71

O Grupo Richard Klinger, fabricante de vedações para aplicações industriais e automotivas com presença em 09 países, adotou o ERP Omega, da ABC71, para as operações brasileiras, mantidas em São Paulo e Várzea Paulista.

A implantação do software, adquirido no final do ano passado, começou em janeiro passado, pelos módulos da área administrativa, que acaba de iniciar o uso da ferramenta.

A primeira fase do projeto vai incluir, ainda, a adoção de módulos fiscal e contábil, com previsão de conclusão até o final de agosto, e também de BI, no que entra a gaúcha Sadig, parceira da ABC71 desde 2007.

"Pela parceria que mantemos com a Sadig, recomendamos o uso do BI da empresa, integrado a nosso ERP. Fazemos toda a parte de comercializaçaõ e implantação", explica Selene Sidney, gerente de Marketing da ABC71.

Já  Marcos Paulo Roque, coordenador de Projetos da fornecedora do ERP, explica que, ao todo, a implantação na Richard Klinger vai incluir 26 módulos.

"A primeira fase será encerrada por volta de fim de agosto. Em setembro, inicia a segunda, que envolverá a implementação de módulos da área industrial", afirma Roque. "A entrega está prevista para fevereiro de 2012", comenta.

Já Tiago Caetano, coordenador do projeto na Klinger, comemora os resultados já obtidos com o uso da solução.

“Há 25 dias o sistema está rodando e nossa operação já ganhou agilidade, facilitando muito a vida dos usuários”, ressalta Caetano.

Segundo ele, antes do ERP Omega, por exemplo, uma nota de entrada necessitava ser digitada três vezes para alimentar os diversos departamentos, como contas a pagar, a receber e outros.

“Isso acontecia porque o sistema que utilizávamos não era integrado. A base de dados era muito confusa e não era confiável”, conta Caetano. “Atualmente, basta o input dos dados uma única vez no ERP e todo o processo é disparado automaticamente”, destaca.

Ainda segundo o coordenador de projeto, a modernização do sistema de gerenciamento empresarial também garantiu à Klinger o tratamento correto das obrigações fiscais e tributárias exigidas pelo Fisco, como SPED - PIS/Cofins e outras exigências legais.

“Hoje estamos muito mais confortáveis e seguros em relação às nossas obrigatoriedades. Estamos preparados para atender a qualquer nova exigência do governo, não precisamos mais sair correndo para consolidar os dados, pois o ERP é totalmente integrado”, completa o executivo.

Caetano também afirma que, com o sistema, a companhia passou a gerir de forma integrada as informações referentes aos ativos imobilizados, inventários e análise de custos.

Com o sistema anterior, segundo ele, a fragmentação exigia a geração de planilhas de análise de custos e o tratamento destes dados levava de 10 a 15 dias para ficar pronto.

Hoje, isso é feito de forma automática pelo ERP.

Assim que forem concluídas todas as etapas de implantação, a empresa já estuda a possibilidade de migrar toda a base de dados do ERP Omega para a web.

“No caso do pessoal de vendas, por exemplo, será possível consultar o estoque, realizar pedidos de forma mais ágil”, finaliza Caetano.