Reginaldo Back, diretor da Tlantic

Desde o ano passado a gaúcha Tlantic vem experimentando uma mudança de ventos: ao contrário do tradicional, as vendas cresceram no país e caíram no mercado internacional.

Explica-se: a companhia nasceu de uma spin off da Sonae Brasil, em 2004, já pré-designada para exportar software para o grupo varejista na Europa.

Com isso, o topo do crescimento e do faturamento sempre foi o mercado externo.

No ano passado, porém, a história se reverteu: a companhia cresceu 20% no Brasil, enquanto na Europa, mercado que costumeiramente responde por 80% dos negócios gerais, as vendas sofreram retração.

“Exportamos para sete países, mas nossos principais compradores são Portugal e Espanha, dois dos países mais afetados pela crise europeia”, comenta Reginaldo Back, diretor da Tlantic. “Só nos faltou exportar pra Grécia”, brinca.

Com faturamento de R$ 20 milhões em 2010, a Tlantic projeta para este ano um crescimento em torno de 20%.

Para alcançar o objetivo, a aposta se volta para o Brasil, onde são clientes nomes como O Boticário, Carrefour e Pão de Açucar, e novos mercados exteriores, em uma tentativa de se expandir para além da crise – o que atualmente já envolve atenção a mercados como Ilhas canárias e Oriente Médio.

“Hoje, exportamos para Portugal, África do Sul, Arábia Saudita, Espanha, Irlanda e Turquia. Mas em 2012 a crise internacional tende a continuar muito aguda, e a estratégia envolverá evoluir para outros países, como Reino Unido e França, que poderemos atender a partir da estrutura que já temos em Portugal”, comenta Back.

Já no Brasil, não há definição regional: a meta é atacar todo o país, que, segundo o executivo, concentra um mercado aquecido para investimento em soluções de TI, especialmente no varejo.

De olho neste filão, a companhia pretende trabalhar forte na oferta para o mercado interno, o que já levou a investimentos como a adaptação do software Unifo, para gestão de frente de caixa (PDV), a todas as novidades da legislação brasileira.

“O Unifo foi peça chave na estratégia de internacionalização do Grupo Sonae, que apenas em 2010 inaugurou fora de Portugal 52 novas operações de varejo em múltiplos formatos”, ressalta Back.

Outra vedete do portfólio é a Mobile Retail Suite, plataforma de soluções de mobilidade que permite acesso a informações dos varejistas e automação de diversos processos operacionais de loja, vendas, logística e gerenciamento.

A suíte é outro case de sucesso: também no Sonae, a solução integrou sistemas de backoffice com dispositivos móveis e passou a ser usada por mais de seis mil colaboradores em 14 marcas do grupo, gerando economia anual média de € 10 milhões, atualmente.

Outro que se vale da suíte de mobilidade da Tlantic é o Musgrave, grupo irlandês de distribuidores de supermercados.

“No Musgrave, o Mobile Retail Suite é usado em toda frota de caminhões, permitindo a monitoração em tempo real de todos os paletes e gaiolas onde os produtos são transportados, além de disponibilizar rotas, mapas, registros de ocorrências, entregas a lojas e recolhimentos nos fornecedores”, detalha Back.

A oferta da Tlantic reúne, ainda, o Workforce Management, ferramenta de gestão da escala de trabalho que automatiza o processo com base no histórico e previsão de vendas, e garantindo aderência à legislação trabalhista.

Outra solução é o PowerSheets, software colaboração transversal e interoperável que integra interfaces a qualquer arquitetura de sistemas.

Competências nas áreas de ERP, BI, e-commerce, integração de sistemas e serviços de suporte também estão no escopo da Tlantic.

Além do escritório em Porto Alegre, localizado no Tecnopuc, a companhia também conta com unidades comerciais em São Paulo e Portugal, onde há pouco também instalou uma equipe de desenvolvimento e de onde atende à toda a região EMEA.

“Entretanto, nosso desenvolvimento é prioritariamente concentrado em Porto Alegre”, destaca o diretor da companhia, que emprega um total de 110 colaboradores.