A Stefanini vai investir R$ 300 milhões nos próximos dois anos para se fortalecer nacional e internacionalmente, o que envolve contratações, abertura de escritórios globais, aquisições (especialmente nos EUA) e reestruturação organizacional.

Tal reestruturação passa pela adoção de um modelo de “matriz”, segundo declarou o presidente, Marco Stefanini, à reportagem da CRN.

Conforme o executivo, a companhia paulista vai dividir sua atuação em macro regiões - Brasil, América Latina, América do Norte e Ásia e Europa, além de passar Mônica Herrero a CEO no país.

Além disso, só nos próximos 12 meses, a empresa projeta contratar até três mil colaboradores em todo o mundo.

Uma das operações mais beneficiadas pelos novos investimentos será a da China, onde a empresa já tem escritório em Xangai, mas vai abrir também na província de Jilin, prevendo investir US$ 3 milhões e ampliar para 100 mil pessoas seu time local até 2014.

Nos EUA, o foco são aquisições de companhias com faturamento em torno de US$ 30 milhões anuais, o que, conforme Marco Stefanini, vai fortalecer o portfólio de soluções complementares da consultoria.

Outra meta é investir R$ 15 milhões em inovação nos próximos três anos, o que envolve projetos voltados à capacitação de colaboradores, alianças com universidades e apoio a start ups.

Com tudo isso, a projeção da Stefanini é crescer 35% já em 2012, sobre o R$ 1,24 bilhão faturado este ano – dos quais cerca de 40% vieram das operações exteriores.

A companhia atua diretamente em 28 países, atendendo a 32 clientes globalmente, atendidos por 14 mil funcionários, dos quais seis mil ficam no exterior.