A Indra lança uma solução que permite às distribuidoras de energia atender, até o prazo limite de 31 de janeiro de 2011, à nova sistemática de controle patrimonial dos ativos de rede imobilizados em serviço.

Por conta das normas do Prodist (Procedimentos de Distribuição), que disciplinam o relacionamento entre as distribuidoras e demais agentes do sistema energético, as concessionárias estão obrigadas a fornecer à Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) o cadastro georreferenciado completo das linhas e redes de distribuição.

A partir de janeiro que vem, esse cadastro terá de estar adequado a um modelo padrão - o chamado Banco de Dados Geográfico da Distribuidora (BDGD).

A solução da Indra permite extrair os dados do sistema de cadastro da distribuidora e transformá-los no formato estabelecido pela agência reguladora, garantindo a rastreabilidade de informações de ativos.

Com isso, é possível repasar os dados do BDGD e sincronizá-los com a base do controle patrimonial sem necessidade de customização da base georreferenciada para a adaptação e integração com os ERPs usados pelas concessionárias.

Só no Brasil, a Indra atende a mais de 40 clientes do setor de energia. A companhia está presente no país desde 1996, atuando nos mercados de administração pública, telecomunicações, indústria e consumo.

Além disso, mantém contratos de BPO com as principais companhias aéreas brasileiras.

Em 2009, as vendas globais da multi espanhola superaram os US$ 3,5 bilhões.

Ao todo, a Indra emprega mais de 30 mil profissionais e conta com clientes em mais de 100 países.