Brasscom: sobra mão de obra de TI em MG

28/12/2011 13:45

Ao contrário do que demonstram estatísticas nacionais, a mão de obra em TI é abundante em Minas Gerais.

Até demais: o estado é um dos três que terão sobra na oferta de profissionais para o mercado de TI em 2014, segundo um estudo da Brasscom.

Conforme a pesquisa, o mercado deve demandar 3.775 profissionais de TI daqui a três anos, mas só em Minas 4.345 hoje graduandos terão se formado até lá.

Tamanho da fonte: -A+A

Ao contrário do que demonstram estatísticas nacionais, a mão de obra em TI é abundante em Minas Gerais.

Até demais: o estado é um dos três que terão sobra na oferta de profissionais para o mercado de TI em 2014, segundo um estudo da Brasscom.

Conforme a pesquisa, o mercado deve demandar 3.775 profissionais de TI daqui a três anos, mas só em Minas 4.345 hoje graduandos terão se formado até lá.

Só este ano, 2.858 se formaram em TI no estado, enquanto o número de vagas disponíveis ficou em 1.995.

Em todo o Brasil, o quadro muda: conforme o estudo da Brasscom, em 2014 serão demandados 78 mil profissionais de TI no Brasil, mas apenas 33 mil concluirão os cursos.

Thiago Maia, presidente da Fumsoft, destaca que o setor de TI na capital mineira movimenta hoje R$ 1,6 bilhão por ano, o que representa 1,6% do PIB nacional.

Na média nacional, a fatia da TI é 4%, em relação ao PIB brasileiro.

“Seguindo projeções da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão, de que a cidade crescerá em média 4% ao ano até 2022, para acompanhar esse ritmo e atingir a participação média do setor no PIB nacional, precisamos gerar 100 mil novos postos de trabalho”, diz Maia, em entrevista ao Estado de Minas.

As projeções da Brasscom são baseadas em números de formandos, fornecidos pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Cagede) do Ministério do Trabalho.
 

Veja também

Brasil não tem mão de obra para tablets

Analistas e empresários da indústria eletroeletrônica são unânimes em dizer que o Brasil não tem mão de obra suficiente para produção de tablets em grande escala.

João Maria de Oliveira, do grupo que estuda economia da informação no Ipea, diz que “nós (o Brasil) não temos mão de obra qualificada para dar suporte à continuidade do processo de instalação”.
 

RS: multis no ringue pela mão de obra

O aumento da presença de grandes multinacionais no mercado gaúcho de TI nos últimos três anos tem causado mudanças no cenário, nos discursos corporativos e na gestão de pessoal.

Mão de obra: 50% dos CEOs tem problemas

Metade dos CEOs brasileiros veem na falta de mão de obra qualificada um grande obstáculo para o sucesso das empresas.

O dado é do  Global CEO Study 2010, maior pesquisa sobre líderes empresariais do mundo, realizada pela IBM com mais de 1,5 mil CEOs de 33 segmentos e de 60 países, apresentado duranete evento da multinacional em São Paulo nesta quinta-feira, 16.

Tecnosinos se mobiliza por mão de obra

O Tecnosinos lançou nesta quinta-feira, 29, seis programas destinados a aumentar a quantidade e a qualidade da mão de obra disponível para as empresas instaladas no parque tecnológico instalado em São Leopoldo.

TIC: carência de mão de obra chega a 92 mil

A carência de mão de obra em TIC no Brasil é de 92 mil profissionais em 2011, é o que revela matéria da Folha de S. Paulo dessa sexta-feira, 08.

Segundo a reportagem, que cita dados de um estudo da Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), o número de vagas na indústria não será preenchido nesse ano no país.

Tecpar tem qualificação de mão de obra

O Instituto de Tecnologia do Paraná deu início nessa semana ao projeto Tecpar Educação, que visa a ofertar cursos a profissionais e estudantes, atendendo às necessidades das empresas.

“A ideia é ocupar os nichos deixados pelas universidades e entidades de ensino, como as do Sistema S”, explica Júlio Felix, diretor-presidente do Instituto.

SC: mão de obra preocupa mais que tributos
A falta de mão de obra especializada não é consenso das reclamações só no Rio Grande do Sul: em Santa Catarina, conforme revela uma pesquisa do Cetic-SC, o quadro é o mesmo.

Para o estudo, foram ouvidos os presidentes de sete entidades de tecnologia do estado: Blusoft (Blumenau), Assespro-SC, CDI  (Comitê para Democratização da Informática), Seprosc, Abradi-SC, Sucesu-SC e Fundação Softville.