Economist: RS e SC entre os piores em tributos

27/12/2011 11:12

O Rio Grande do Sul e Santa Catarina estão entre os estados considerados “ruins” em regime tributário e regulatório no ranking de Gestão dos Estados Brasileiros, realizado pela Unidade de Inteligência do grupo inglês Economist a pedido do Centro de Liderança Pública.

Os dois estados ficam entre os últimos colocados da lista, com 12.5 pontos cada um, dividindo a classificação “ruim” com Amazonas, Mato Grosso, Pernambuco, Pará e Rio Grande do Norte.

Tamanho da fonte: -A+A

O Rio Grande do Sul e Santa Catarina estão entre os estados considerados “ruins” em regime tributário e regulatório no ranking de Gestão dos Estados Brasileiros, realizado pela Unidade de Inteligência do grupo inglês Economist a pedido do Centro de Liderança Pública.

Os dois estados ficam entre os últimos colocados da lista, com 12.5 pontos cada um, dividindo a classificação “ruim” com Amazonas, Mato Grosso, Pernambuco, Pará e Rio Grande do Norte.

O levantamento avalia os estados por níveis - ruim, moderado, bom e muito bom – e por pontos, que vão de 0 a 100.

No quesito tributário e regulatório, o Paraná eleva um pouco a nota do Sul, com 25 pontos e classificação “moderado”.

No geral
No ranking geral de gestão, o Rio Grande do Sul vem para a quarta colocação, com 60.4 pontos – bem acima da média nacional, que é de 41.3.

São Paulo lidera o ranking, com 77.2 pontos, seguido por Rio de Janeiro e Minas Gerais, com 70.9 e 64.1, respectivamente.

Da região Sul, o Paraná aparece em quinto lugar, com 56.1 pontos, e Santa Catarina em sétimo, com 53.5.

Ainda no ranking geral, somente São Paulo aparece como “muito bom”. Os três estados do Sul são “bons” e a classificação “ruim” só vai para Amapá, Piauí e Acre.

Político
Em ambiente político, o Rio Grande do Sul divide o primeiro lugar com São Paulo, com 85 pontos.

Santa Catarina vem em sexto lugar, com 66.7 pontos; e Paraná em décimo segundo, com 55.6.

Atração estrangeira
Em políticas de investimentos estrangeiros, os gaúchos se mantêm na quarta colocação, com 87,5 pontos.

Paraná e Santa Catarina dividem a décima primeira colocação, com 70.8 pontos.

Economia
Na categoria Ambiente Econômico, o Rio Grande do Sul decai para a décima colocação, com 56.3 pontos, mesma pontuação de Santa Catarina.

O topo da lista fica com São Paulo, com 75, e o Paraná vem no segundo lugar, com 68.8.

Mão de obra
No quesito Recursos Humanos, os três estados do Sul empatam em pontos, com 58.3 cada, na quinta colocação.

Inovação
Mais um quarto lugar vai para o Rio Grande do Sul na categoria Inovação, na qual o estado registra 50 pontos.

Esta lista traz Paraná e Santa Catarina em sexto lugar, ambos com 45 pontos.

O estudo
Conforme divulgado pelo Centro de Liderança Pública, o estudo visa a medir o grau de preparo dos estados para receber os investimentos, especialmente estrangeiros, que deverão ser gerados em função de eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

A íntegra do estudo foi divulgada por Veja e pode ser conferida pelo link relacionado abaixo.
 

Veja também

Refis acabou, garante secretário da Receita

O secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, garantiu, em entrevista ao Valor Econômico, que o Refis acabou.

Conforme o secretário, o governo vai abandonar completamente a política de parcelamento especial de débitos dos contribuintes com a Receita Federal, porque se trata de um expediente que “induz o comportamento do contribuinte, que deixa de pagar porque sabe que será acolhido em um novo parcelamento especial".

BR é 12º com mais impostos sobre mobile

O Brasil é o 12º país com a maior participação de impostos sobre o custo total de propriedade de telefonia móvel (TCMO, na sigla em inglês) dentre 111 pesquisados pela GSM Association (GSMA).

E a situação já foi pior. Em 2007, o Brasil ocupava a quarta posição.

ONU: BR tem imposto de telecom mais caro

Levantamento realizado pela União Internacional de Telecomunicações (UIT), da Organização das Nações Unidas (ONU) indica que os altos preços pagos no Brasil por telecomunicações fazem do serviço o mais caro do mundo.

“O país tem os maiores impostos locais do mundo no setor e isso prejudica a sua imagem”, declarou  o secretário-geral da UIT, Hamadoun Touré.

E os vilões não são as operadoras, segundo o diretor.

Estudo pede redução de 25% na carga tributária

A carga tributária, hoje em torno dos 40% do PIB nacional, tem condições de ser reduzida em um quarto em dez anos, o que garantiria o crescimento sustentado da economia na média de 6% ao ano, sem ameaças ao controle da inflação.

Desoneração? Vem aí mais um imposto

O governo continua a estudar a criação de um tributo adicional para financiar a Previdência Social em função da desoneração da folha de pagamentos concedida aos setores de confecções, calçados, móveis e TI dentro do  Plano Brasil Maior.
 
A informação é do coordenador-geral de Tributação da Receita Federal, Fernando Mombelli, em entrevista à Agência Brasil.
 

CETI abre fogo contra Plano Brasil Maior

Reges Bronzatti , presidente da Assespro-RS e do CETI-RS - Conselho das Entidades de Tecnologia da Informação do RS, publicou no Baguete Diário um artigo recheado de críticas a desoneração da folha de pagamentos de TI sancionada pela presidente Dilma Rousseff nesta quinta-feira, 15.

Impostômetro atinge R$ 500 bilhões em tributos

O Sistema Permanente de Acompanhamento das Receitas Tributárias – impostômetro –, atingirá R$ 500 bilhões em arrecadação de tributos pelos governos federal, estadual e municipal, na quarta-feira, 4 de maio.

Segundo o Estadão, a marca chega com 21 dias de antecedência. Em 2010, esse mesmo valor só foi alcançado em 25 de maio.

SC: mão de obra preocupa mais que tributos
A falta de mão de obra especializada não é consenso das reclamações só no Rio Grande do Sul: em Santa Catarina, conforme revela uma pesquisa do Cetic-SC, o quadro é o mesmo.

Para o estudo, foram ouvidos os presidentes de sete entidades de tecnologia do estado: Blusoft (Blumenau), Assespro-SC, CDI  (Comitê para Democratização da Informática), Seprosc, Abradi-SC, Sucesu-SC e Fundação Softville.
Federasul: campanha sobre impostos em 2012

A Federasul prepara uma campanha em prol de mais simplicidade e transparência no sistema tributário brasileiro para 2012. 

Teles: imposto freou banda larga no BR

O crescimento de 138% no Brasil em 2010, segundo dados divulgados pela Huawei e pela consultoria Teleco, poderia ser maior não fosse a carta tributária, dizem as operadoras.

De acordo com o site IDG Now, as empresas, representadas pelo SindiTelebrasil, acreditam que o avanço teria sido mais significativo se o governo aliviasse o setor dos impostos.

“A carga tributária sobre o setor, além de não cair, ainda por cima aumenta”, disse Eduardo Levy, diretor-executivo do SindiTelebrasil, ao IDG Now.