Guido Mantega. Foto: Agência Brasil

Tamanho da fonte: -A+A

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, prometeu nesta segunda-feira, 22, incluir novos setores na política de desoneração do governo o “mais breve possível”.

Em entrevista concedida logo após reunião do conselho diretor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Mantega disse que as novas desonerações serão menores dos que as já concedidas e devem atingir setores intensivos em mão de obra como autopeças, móveis, naval e de aviação.

Até agora, o Plano Brasil concedeu aos setores beneficiados a troca da contribuição de 20% sobre o salário dos funcionários ao INSS por 1,5% do faturamento para calçados, têxteis e móveis e de 2,5% para software.

Anunciada em dezembro pelo governo federal em caráter experimental até 2014, a desoneração da folha de pagamentos não gerou uma reação unânime.

A iniciativa recebeu críticas de setores não beneficiados, que pedem medidas mais abrangentes, e também de parte dos próprios beneficiados, para os quais a troca de 20% sobre a folha de pagamento por uma alíquota sobre o faturamento não foi um bom negócio.