De acordo com uma pesquisa lançada nessa quinta-feira, 27, no Fórum Econômico Mundial de Davos, o Brasil é um dos países mais otimistas em relação ao futuro da inovação.

Foram 82% dos executivos apresentando um índice satisfatório de confiança.
 
O estudo pretende contribuir para encorajar as discussões sobre o tema globalmente, fornecer insights sobre os fatores que direcionam e/ou impedem a inovação e identificar melhores práticas.
 
Realizada pela GE, a pesquisa, chamada Innovation Barometer da GE, foi realizada com 1 mil líderes de negócios de 12 países, e conduzida pela StrategyOne.
 
Entre os países pesquisados estão Brasil, China, Índia, Arábia Saudita, Estados Unidos, Alemanha, Canadá, Suécia, Emirados Árabes Unidos, Coreia do Sul, Japão e Israel.
 
Dentre os pesquisados, o Brasil apresentou um dos índices mais otimistas sobre o futuro da inovação local.
 
São 98% dos brasileiros acreditando que a inovação é o principal fator direcionador de uma economia mais verde, e 99% afirmando que a inovação tornará o país mais competitivo.
 
Para o Brasil, o estudo aponta insights importantes como a alta confiança em parcerias público-privadas para alavancar um ambiente inovador.

O uso de tecnologias inovadoras como resposta para melhorar a qualidade da distribuição de energia e para desenvolvimento de soluções de saúde que permitam um melhor cuidado com a população mais idosa também é uma das apostas no país.

Apesar da sensação positiva quanto à inovação, relatório do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) aponta que o perfil da inovação ainda é fraco no Brasil.

Segundo dados do relatório Science, Tecnology and Industry Outlook 2010, apenas 3,6% das empresas brasileiras introduziram inovações de produtos nos últimos anos.