Os gastos dos brasileiros com cartão de crédito no exterior aumentaram. Em junho, essas despesas chegaram a US$ 1,004 bilhão, contra US$ 813 milhões no mesmo período do ano passado. Em maio, os gastos haviam ficado em US$ 909 milhões.

Segundo o site Exame.com, dados do Banco Central apontam que essas despesas correspondem a 54,1% do total de gastos dos brasileiros fora do país.

Para conter os excedentes fora do Brasil, o governo havia aumentado o Imposto sobre Operações Financeiras para as compras com cartão no exterior. O decreto foi publicado em março deste ano e elevou em 6,38% o IOF.

Apesar disso, com o dólar entre R$1,65 e R$1,70 é possível manter um equilíbrio na economia do exportador, o que pode facilitar os gastos dos turistas.

Conforme explica uma publicação da Exame, a partir da compra no cartão de crédito, a conversão é balizada pelo dólar comercial, cerca de 5% mais barato que o dólar turismo.

Em contrapartida, o IOF cobrado por cada operação é alto e como a taxa de conversão é definida no momento do fechamento da fatura, o consumidor fica sem saber de fato quanto vai pagar pela compra.

Já no caso do cartão de recarga pré-pago, o consumidor faz a recarga no Brasil e utiliza o cartão para saque no exterior, pagando uma taxa de US$2,50 por cada operação. Neste caso, o IOF é de 0,38% e a cotação utilizada é a do dólar turismo.

A lógica também é válida na troca de reais por dólares em espécie, na qual o cliente já sabe quanto vai desembolsar pela conversão, evitando surpresas com a variação da moeda norte-americana.