ALÔ, START UPS!

Joinville tem fundo de venture capital

16/03/2012 17:57

Dentro de 30 dias, entra em operação em Joinville um novo fundo de venture capital para start ups de TI: a HFPX, que nasce com caixa inicial de R$ 20 milhões em recursos próprios e meta de investimento em dez companhias este ano.

 

O negócio é liderado por Hugo Fabiano Cordeiro, ex-CEO e fundador da Microvix, empresa também joinvilense de TI para o varejo, com faturamento estimado de R$ 19,6 milhões em 2012, que no início deste ano foi vendida para o Grupo Linx por valor não revelado.

Hugo Fabiano Cordeiro

Tamanho da fonte: -A+A

Dentro de 30 dias, entra em operação em Joinville um novo fundo de venture capital para start ups de TI: a HFPX, que nasce com caixa inicial de R$ 20 milhões em recursos próprios e meta de investimento em dez companhias este ano.

 

O negócio é liderado por Hugo Fabiano Cordeiro, ex-CEO e fundador da Microvix, empresa também joinvilense de TI para o varejo, com faturamento estimado de R$ 19,6 milhões em 2012, que no início deste ano foi vendida para o Grupo Linx por valor não revelado.

 

Além de Cordeiro, a equipe da HFPX conta com outros seis profissionais – dois deles também vindos da direção da Microvix, o que dá ao novo fundo de investimento um grau a mais de atenção no setor de varejo.

 

“Focamos startups de TI em geral, mas temos grande expertise no segmento de varejo, no qual atuamos há 14 anos”, comenta Cordeiro.

 

Segundo ele, cerca de 25 projetos estão em análise e prospecção pela HFPX, atualmente, tanto em Santa Catarina, quanto na Serra Gaúcha, interior do Paraná, São Paulo e Nordeste.

 

A meta da nova companhia é realizar aportes entre R$ 100 mil e R$ 5 milhões, mas os contratos irão além do investimento.

 

“Vamos assumir a administração de tudo o que não for core business das start ups. Cuidaremos da gestão, contabilidade, marketing, prospecção de canais, tudo”, conta o executivo.

 

Cordeiro atuou na Microvix de sua fundação, em 1998, até esta sexta-feira, 16. E aposta alto para o futuro.

 

“Iniciaremos os trabalhos em muito breve, e já prevejo que será necessário, também logo, ampliar nossa equipe.

 

Os mercados de informática, Telecom, a TI global, que são nosso foco, cresce muito, com muitas boas ideias, e demandará expansão”, finaliza.

Veja também

Linx compra a joinvilense Microvix

A joinvilense Microvix é a nova aquisição da paulista especializada em software de gestão para o varejo Linx.

O valor do negócio não foi revelado, segundo o jornal Valor Econômico, mas a direção da Linx estima que o faturamento da empresa catarinense chegue a R$ 19,6 milhões em 2012.

Tudo na nuvem até 2015

Startups: à espera do capital

Jovem, com idade entre 18 e 29 anos, fã de tecnologia e sedento por ampliar seu networking.

O perfil do campuseiro não se encaixa só no esquadro estatístico da Campus Party. É também o retrato do empreendedor da área de TI e correlatas. A diferença é que na Campus tudo é festa. Já no mundo das startups...

“O cara tem que levar a sério!”, dá o recado Adalberto Brandão, COO do Venture Capital Gvcepe.

Microvix gere loja itinerante da Chilli Beans

A Chilli Beans acaba de adotar o ERP da joinvilense Microvix para gestão de seu mais recente lançamento, o Chilli Truck, um caminhão adaptado para atuar como “loja itinerante” da marca de óculos e acessórios.

Cliente da Microvix desde 2006, a Chilli Beans gere 310 lojas com o ERP da companhia catarinense.

Além disso, também utiliza os sistemas de TEF, BI e Cockpit da Microvix.

Mundo Verde: 185 franquias no MicrovixERP

A Mundo Verde, rede de produtos naturais que é a maior franquia do setor na América Latina, segundo a Associação Brasileira de Franchising (ABF), adotou o ERP da joinvilense Microvix em suas 185 lojas, além do BI da mesma fornecedora para sua franqueadora.

Portobello vai de Microvix em 104 lojas
A Portobello Shop é a mais nova cliente da catarinense Microvix. A empresa adotou o Microvix ERP em 104 lojas franqueadas, em todo o país.

Com isso, a Portobello Shop integrou todas as lojas via internet, além de disponibilizar aos franqueados um sistema de gestão integrado ao Oracle EBS na fábrica.

Além disso, a rede passou a conta com um simulador de preço de compra e venda, custo e margem entre franqueados e franqueadora.
Startup gaúcha leva investimento da Telefónica

Uma equipe de Porto Alegre está entre os dez grupos selecionados no Wayra Brasil, iniciativa da Telefônica para identificar e investir em startups da área de inovação e tecnologia.

As equipes de cada um dos projetos receberão entre US$ 30 mil e US$ 70 mil para por em prática suas ideias, além de contar com espaço físico, infraestrutura, apoio à gestão e ferramentas concedidas pela Telefónica.

Seis do Sul no Desafio Brasil 2011

Seis empresas da região Sul ficaram entre as 22 finalistas da sexta edição do Desafio Brasil, competição de projetos de inovação promovida por Intel e Lenovo.

Atomico investe US$ 11 milhões no Brasil

O Atomico, fundo internacional de Venture Capital criado por Niklas Zennström, co-fundador do Skype, anunciou dois investimentos no Brasil, no total de US$ 11 milhões.

De acordo com o IDG Now, o aporte está segmentado entre US$ 2,9 para a Bebê Store, loja de produtos para gestantes, e US$ 8,7 na Connect Parts, de peças e acessórios automotivos.

Intel investe em startups de moda no BR

Duas startups brasileiras voltadas para a moda são os mais novos integrantes do portifólio de aportes da Intel Capital, braço de investimentos de capital de risco da Intel. São elas a Coquelux e a Fashion.me.

Segundo a Intel, o aporte foi realizado por conta da atuação destacada de ambas as empresas no mercado de moda online, categoria foi responsável por 6% das vendas no e-commerce nacional, com movimentação de R$ 840 milhões, em 2010.

VENTURE
Investidora do Twitter aposta no Elo7

O site de e-commerce focado em artensanato Elo7 recebeu uma segunda rodada de investimentos. O aporte foi realizado pela Insight Partners, que já investiu em empresas como Twitter, Tumblr, Privalia e Groupalia.

Não foram divulgados detalhes da rodada de investimentos.

Em setembro de 2011, o Elo7 recebeu a primeira rodada de capital da brasileira Monashees Capital e da americana Accel Partners, no Vale do Silício.

CPBR: uma aula para ganhar dinheiro

Conseguir dinheiro para novos empreendimentos no Brasil é difícil? Para quem entende de investimento, a resposta é: depende do empreendedor.