Antonio Neto, presidente do Sindpd.

Tamanho da fonte: -A+A

O paulista Sindicato dos Trabalhadores de Processamento de Dados e TI (Sindpd) defende a proposta da Brasscon de modificar a incidência de encargos trabalhistas para empresas TI, alterando a taxa de 20% sobre a folha atualmente cobrada pelo INSS para um valor entre uma taxa de 3% a 4% a ser cobrada sobre o faturamento.

“Existe um anacronismo na lei tributária brasileira, a legislação em vigor foi feita para alavancar a indústria, onde o peso da folha de pagamento no custo final gira em torno de 7%, enquanto na área de prestação de serviços esse valor chega a 70%”, resume Antonio Neto, presidente do Sindpd.

De acordo com o sindicalista, a situação atual acaba “punindo” as empresas de TI, cujo principal custo é o pagamento de funcionários. Neto acredita que juntamente com um “compromisso de acabar com as contratações ilegais no setor” a alteração na carga tributária pode formalizar aproximadamente 100 mil profissionais que atuam de maneira irregular.

O Sindpd tem uma base de 32 mil associados no estado de São Paulo.

O Baguete Diário entrou em contato com o Sinppd-RS, equivalente gaúcho do sindicato paulista, mas não obteve uma posição sobre o assunto até o fechamento dessa matéria.