O Brasil caiu duas posições no ranking global de competitividade, elaborado pelo Fórum Econômico Mundial, com o intuito de avaliar o potencial de infraestrutura das nações e classificar os principais índices positivos da economia e dos sistemas de governo.

Na lista de 2010, o país ocupa a 58ª posição, ficando atrás de nações como Azerbaijão, Costa Rica e Tunísia. Em 2009, o Brasil estava duas posições acima (56º lugar).

Segundo o Fórum Econômico Mundial, os problemas com a carga tributária, regulação, corrupção e infraestrutura foram os responsáveis por derrubar o Brasil no ranking de competitividade.

Conforme matéria publicada no M&M Online, a queda brasileira acontece depois de um período de avaliação positiva. Entre os anos de 2008 e 2009, o Brasil havia saltado oito posições no ranking por conta, principalmente, do bom desempenho do setor econômico nacional diante da crise financeira global, que impactou grande parte das nações desenvolvidas do planeta.

Na análise feita pelo Fórum Econômico Mundial – que leva em conta os dados de 139 países – o Brasil foi considerado o pior exemplo de impacto de carga tributária no setor privado. No quesito de regulação do governo, o Brasil também ocupa a última posição.

Além disso, o País também é considerado um dos locais onde a corrupção e o mau uso do dinheiro público acontece de forma generalizada, o que diminui a confiança da população nos governantes.

Neste ano, o país campeão do ranking da competitividade é a Suiça. Em segundo lugar aparece a Suécia, seguida de Cingapura, Estados Unidos, Alemanha, Japão, Finlândia, Holanda, Dinamarca e Canadá. Entre as nações em desenvolvimento, a China foi a melhor classificada.