reitor Flávio Almeida Reis.

A UniRitter anunciou sua entrada no grupo Laureate, multinacional americana da área de educação presente em 50 universidades distribuídas por 24 países nesta terça-feira, 09.

Pelo acordo, que não teve termos societários e financeiros divulgados, a UniRitter passa a ser uma instituição com fins lucrativos.

A área administrativa será conduzida pela Laureate.

O capital segue fechado e o controle acadêmico da instituição segue em mãos da mantenedora, comandada por integrantes da família Ritter dos Reis. Alguns membros deixarão o conselho para serem substituídos por quadros executivos da própria instituição.

Reitor, pró-reitores e coordenadores de curso permanecem nos cargos.

A Laureate fará um aporte de R$ 50 milhões na UniRitter nos próximos cinco anos, destinado a melhorias em pessoal, infraestrutura e equipamentos. Todos os lucros serão reinvestidos na operação no mesmo período.

Parte do investimento poderá incluir a área de TI, mas não em um primeiro momento.

“Nossa primeira preocupação será o frontoffice para depois atuar no backoffice”, adianta Luis Lopez,  executivo costa riquenho que comanda a Laureate no Brasil.

De acordo com Lopez, a Laureate não procura “estandartizar” a TI das universidades das quais participa, pelas diferenças de tamanho e foco educacional entre elas. “Apenas avaliamos se cada uma atende os requisitos mínimos de serviço”, detalha o executivo.

Quando opta pela troca de ERP em alguma das operações, a Laureate usa a solução da americana Sungard Higher Education, que já está em implantação na paulista Anhembi Morumbi, maior universidade a participar da rede no pais.

A Laureate também investe em soluções de CRM e para a área financeira. Os nomes variam segundo o tamanho da universidade, incluindo marcas como SalesForce, Hyperion e Peoplesoft.

A UniRitter é a segunda instituição de ensino superior do Sul a assinar uma parceria com a Laureate. A primeira foi o Esade.

Outras oito universidades já tem acordos com os norte-americanos, sendo a maior delas a Anhembi Morumbi, em São Paulo.

As outras são Universidade Poriguar (RN), Business School (SP), Faculdade Unida da Paraíba (PB), Faculdade Guararapes (PE), Uninorte (AM), IBMR (RJ) e Unifacs (BA). Ao todo, são 110 mil alunos, uma sexta parte dos 600 mil em todo mundo.  

Com a entrada no grupo Laureate, toma força o plano de transformar a UniRitter, centro universitário com 39 anos de atuação, em uma universidade.

“Já estamos encaminhando a criação de novos cursos e  doutorados”, adianta o reitor Flávio Almeida Reis.

Segundo Reis, a intenção é também aumentar o número de alunos nos campus de Porto Alegre e Canoas, estacionado “há alguns anos” na cifra de 6,5 mil.

O reitor cita como ganhos para instituição a vinda de novos cursos de outras parceiras da Laureate e a possibilidade de intercâmbios internacionais para os alunos.

Ainda que não esteja totalmente claro qual será a efetiva participação da Laureate na administração do UniRitter, o anúncio do negócio encerra um períodos de incertezas para o centro universitário, que chegou a negociar uma venda para a paulista Anhanguera em 2008.