Até 2014, as vagas de back office em TI nos Estados Unidos e na Europa – hoje em 4 milhões – devem cair pela metade. A previsão é do  Hackett Group, consultoria de negócios com sede em Miami.

Segundo o diretor de pesquisa da empresa, Michael Janssen, a culpa é da terceirização. As informações foram publicadas pelo site IDG Now.

“Se não é competitivo num cenário global e a sua estrutura de custos é muito alta e você paga muito bem à sua equipe, então você não vai sobreviver”, disse Janssen.

Tal cenário, explica o executivo, tem levado muitas empresas norte-americanas e europeias a  reduzir perigosamente sua força de trabalho de “back office” em TI.

Usando dados de seus próprios clientes e de outras fontes, Hackett examinou as tendências de contratação em empresas de capital aberto dos EUA e da Europa com receita anual de US$ 1 bilhão ou mais.

Corte continuou apesar do fim da crise
Segundo Janssen, por conta do “offshoring” as empresas cortaram as posições mais baixas em TI mas, ao fazê-lo, começam a criar um novo problema, perdendo muitos dos seus futuros gestores seniores de TI.

O maior desemprego do setor, salienta o executivo, ocorreu em 2009, com uma perda líquida de 311 mil postos de trabalho em “back office” de TI nos EUA e na Europa. O problema é que a recuperação da economia não provocou uma onda de contratações.

“Ao contrário. Muitas empresas continuaram cortando posições, mudando os empregos para o exterior para pouparem entre 30% a 70% nos custos de trabalho por um breve período, às vezes tão rápido quanto um trimestre”, explica.

Segundo o professor  Jerry Luftman, do Stevens Institute of Technology da Howe School of Technology Management, em Hoboken, que realiza uma pesquisa anual sobre orçamentos de TI, os trabalhadores de TI vão precisar mais do que simples habilidades técnicas nesse novo cenário.

“Se o profissional oferece apenas competências técnicas, posso simplesmente ir lá fora para obter o mesmo serviço muito mais barato”, diz Luftman, salientando que, apesar do cenário desfavorável, as vagas ainda existem.

"No futuro próximo, essas oportunidades de emprego qualificado não só continuarão como deverão aumentar, já que tudo estará muito mais dependente da TI”, finaliza o professor.

Leia a matéria completa da IDG Now no link relacionado abaixo.