O Hospital Mãe de Deus comemorou o Dia Mundial do Meio Ambiente, na sexta-feira, 05, com uma novidade à altura da data.

Nos últimos 12 meses, a organização deixou de imprimir 3,5 milhões de folhas A4 com adoção de políticas de economia de papel.

São 16 toneladas de folhas, que se empilhadas totalizariam 345 metros, o que representa três vezes a altura da chaminé do Gasômetro, em Porto Alegre. Ou uma pilha 25 metros mais alta que a Torre Eiffel, em Paris.

“Tomamos medidas de controle e fizemos o outsourcing da área de impressão”, resume o gerente de Tecnologia da Informação e Comunicações do Mãe de Deus, Cezar Araújo, destacando que a economia no período chegou a R$ 159 mil.

Além de estabelecer cotas de páginas por funcionário, o Mãe de Deus também introduziu medidas como a impressão pelos dois lados e no formato paisagem. “Assim, as vezes dá para usar uma folha onde antes se usariam até quatro”, comenta Araújo.

As impressoras são gerenciadas pela Brasif, ao custo de cerca de R$ 0,0459 cada impressão. O contrato com o hospital gaúcho compreende um volume mensal de 905 mil folhas.

Ao longo dos próximos meses, a equipe de TI deve fazer ajustes no ERP da MV Sistemas para fazer com que os relatórios emitidos usem menos papel, por exemplo. “Temos o feeling de que é possível reduzir em 15% o volume atual”, comenta o gerente de TI.

O esforço verde do Mãe de Deus não deve terminar com a diminuição das impressões. No segundo semestre desde ano, deve ser realizada uma consolidação de servidores. Já em 2010, está prevista a virtualização de um parque de 1 mil desktops.