Uma pesquisa realizada pela Universidade da Virgínia (Estados Unidos) faz valer o voto “na riqueza e na pobreza” dito nos altares de casamento ao redor do mundo.

Segundo a pesquisa  “A Grande Recessão e o Matrimônio”, quatro em cada 10 casais norte-americanos com intenção de divórcio adiaram os planos de separação em função da recente crise econômica.

"Para uns, as pressões financeiras danificaram os casamentos. Para outros, vieram impulsionar um novo compromisso com o matrimônio", explicou Bradofr Wilcox, sociólogo e diretor do projeto.

Não pense, no entanto, que os casais se tornaram mais solidários, ou que o orçamento no vermelho reacendeu a paixão. Muitos casais, reitera Wilcox, adiaram os planos de divórcio “até terem dinheiro para legalizar a separação”.

Ainda assim, no geral, o cenário matrimonial não é de todo ruim.

Dos mais de 1,2 mil norte-americanos casados que foram analisados, 5% dizem estar em “alto risco de divórcio”, mas mais de metade deles afirma ter “um casamento feliz ou muito feliz”.

Os casais entrevistados tinham idade entre 18 e 45 anos, e foram ouvidos entre dezembro de 2010 e janeiro de 2011.

A pesquisa foi divulgada nessa segunda-feira, 07, para coincidir com a semana do matrimônio.

Nos Estados Unidos, um divórcio pode custar desde US$ 100 a US$ 20 mil, quando o caso tem de ser resolvido nos tribunais. Seja qual for o custo, os casais parecem preferir se aturar do que meter a mão no bolso.

Conforme Wilcox, apenas 29% dos casais com intenção de divórcios declaram que o vínculo matrimonial foi reforçado pela crise.

Leia a íntegra do estudo (em inglês) nos links relacionados abaixo.