Com uma nova rodada de crescimento, a China pode se tornar o maior mercado mundial da SAP no prazo de cinco a dez anos. Foi o que informou o presidente-executivo Bill McDermott em entrevista à agência Reuters.

McDermott afirmou que o faturamento da SAP no país chinês, responsável por menos de 10% do lucro da empresa atualmente, continuaria a crescer em ritmo de dois ou até três dígitos nos próximos anos.

"Queremos tratar o mercado chinês como uma segunda casa. Não existe motivo para que, dentro de cinco ou dez anos, a China não se torne o maior mercado mundial para a SAP", disse o executivo.

A China é um dos mercados de crescimento mais rápido no mundo e recentemente ultrapassou o Japão, se tornando a segunda maior economia mundial, atrás dos Estados Unidos. Mas as vendas de software demoraram a ganhar impulso no país devido à pirataria desenfreada.

A SAP, de certa forma, conseguiu evitar o problema porque muitos de seus produtos são sistemas usados por empresas e, portanto, mais difíceis de serem pirateados, ao contrário dos produtos voltados ao consumidor, como o Windows, da Microsoft.

Entretanto, o custo relativamente elevado de seus produtos também representa forte obstáculo para a empresa, que tem de competir com rivais chineses cujos preços são mais baixos.

Fundada em 1972, a SAP possui 92 mil clientes, que incluem McDonald's, PepsiCo, Audi, Apple e General Electric, além de instituições como o Johns Hopkins Hospital.