O Brasil registrou crescimento de 4,2% no primeiro trimestre de 2011, frente ao primeiro trimestre de 2010, segundo divulgado nessa sexta-feira, 03, pelo IBGE, mas deve desacelerar em breve.

De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, o desempenho mostra que a economia brasileira “mantém a vitalidade”, mas que o segundo trimestre verá um avanço inferior.

“Se olharmos abril e maio, perceberemos que a economia brasileira desacelerou um pouco mais. O segundo trimestre do ano vai ter crescimento menor do que 1,3%”, afirmou Mantega, segundo o jornal Valor Econômico.

Segundo os analistas do Instituto, o resultado do 1T11 frente ao 1T10 está em linha com as expectativas dos economistas.

No segundo trimestre, porém, já há sinais de arrefecimento, segundo o próprio IBGE. A grande discussão no mercado é se uma desaceleração significativa está claramente em curso, ou se ainda é cedo para se fazer essa aposta.

O ministro acrescenta que o avanço do 1T11 anualizado é de 5,5%, menor do que no ano passado.

“Esse crescimento já reflete a acomodação da economia brasileira aos ajustes que nós fizemos desde o final do ano passado no sentido de moderar o crescimento, porem mantê-lo em patamar suficiente para gerar emprego e riqueza”, disse.

Na visão de Mantega, “a inflação já dá fortes sinais de queda" e entrou em uma trajetória favorável.

Por isso, para Mantega não há necessidade de novas medidas macroprudenciais como aumento de capital dos bancos. Ressalvou, entretanto, que o governo se reserva a possibilidade de tomar medidas a qualquer momento, destacando que o câmbio é observado com atenção.

Mantega atribuiu a desaceleração esperada para os próximos meses à moderação do crescimento do crédito, que segundo ele expandiu-se cerca de 13% no primeiro quadrimestre, abaixo dos mais de 20% anteriores, e no “patamar desejável pelo governo”.

A expansão de 4,2% no PIB no primeiro trimestre deste ano ante igual trimestre do ano passado foi a taxa mais fraca para o PIB, na comparação com igual período do ano anterior, desde o terceiro trimestre de 2009, quando o PIB caiu 1,8%.

De acordo com o IBGE, o PIB do trimestre passado, em valores correntes, somou R$ 939,6 bilhões.

O IBGE revisou para cima o crescimento do PIB brasileiro no quarto trimestre de 2010, passando de uma alta de 0,7% para uma expansão de 0,8%, na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, com ajuste sazonal.