Tamanho da fonte: -A+A

Uma startup não se faz apenas de idéias geniais. E esperar por investidores pode levar mais tempo do que o planejado.

O conselho é do empreendedor carioca Vinicius Telles, que apresentou nesta quinta-feira, 29, a palestra Startup - De empregado a empregador, no 12° Encontro Locaweb de Profissionais de Internet, que aconteceu em Porto alegre.

“Em primeiro lugar, seja o melhor empregado da empresa onde trabalha. Desta forma seu trabalho será reconhecido, o salário será maior e você poderá fazer um fundo de reservas para então criar sua startup”, declarou Telles, cujo case é a própria trajetória profissional.

Telles afirma que, após criar seu fundo de investimentos - deixando de lado compras de carros ou demais bens mais caros para priorizar a futura empresa - montou a consultoria ImproveIT, que precisou do famoso “quem indica” para poder se manter atuando.

“O dinheiro que havia investido foi quase todo gasto no primeiro ano da empresa e estávamos às portas de fechar. Tivemos que conversar com todos nossos contatos para buscar algum novo projeto. E assim fomos contratados pela Vale”, relembra.

No entanto, a indicação só funcionou, afirma Telles, pois havia qualidade no trabalho prestado.

“O QI não é algo pejorativo e deve ser visto como algo normal, contanto que o contratado realize bem o seu trabalho”, afirma ele.

O projeto da Vale - utilização de extreme programing (XP) para desenvolvimento de software – foi transformado por Telles em uma wiki e, mais tarde, no primeiro livro sobre o tema no Brasil, com direito a prefácio e capítulo escrito por Kent Beck, criador da metodologia ágil.

Mesmo com o sucesso deste projeto, o empreendedor conta que desistiu da vida corrida de quem trabalha como consultor e encerrou o segmento de serviços da empresa, em 2007.

A partir daí dedicou-se a desenvolver produtos web, principalmente em Rails, e lançou o Be on the net, sistema voltado a criação de sites com foco em pequenas e médias empresas. O sistema é focado na exibição de fotos e vídeos e tem como público alvo principalmente fotógrafos.

O projeto ainda não cobriu os investimentos iniciais, mas Telles afirma que o retorno deve acontecer em pouco tempo, uma vez que a demanda segue alta.