São Paulo é a cidade mais digital da América Latina. É o que aponta uma pesquisa da Motorola e Convergencia Research que avaliou o nível de digitalização de 150 cidades, em 15 países da América Latina.

A capital paulista foi destacada pelo seu e-governo, pelos serviços que presta aos cidadãos pela internet; compromisso com a inclusão digital e pelas aplicações de tele-saúde e tele-segurança.

Os municípios de Mérida e Chihuahua, do México, e San Luis, da Argentina, foram eleitos em segundo, terceiro e quarto lugar, respectivamente. A única outra cidade brasileira na lista dos 25 foi Salvador, em 12º lugar, tendo como destaque o uso da tecnologia nas áreas de saúde e educação.

Quem participou
Outras cidades brasileiras que se registraram para participar do Ranking Motorola foram: Camaçari (RJ), Elói Mendes (MG), Foz do Iguaçu (PR), Itanhaém (SP), Japeri (RJ), Jaú (SP), Lajeado (RS), Mangaratiba (RJ), Osasco (SP), Pedregulho (SP), Poços de Caldas (SP), Quadra (SP), Quatis (RJ), Rincão (SP), São José do Vale do Rio Preto (RJ), São João de Meriti (RJ), Senador Salgado Filho (RS) e Tauá (CE).

O case paulista
Segundo os dados levantados, 100% dos hospitais e escolas municipais de níveis inicial, primário e secundário, têm conectividade à Internet de banda larga pela rede da Prefeitura de São Paulo.

Foram abertos 300 telecentros que oferecem treinamento e acesso à Internet gratuito para todos aqueles que não dispõem de outra alternativa e atendem a 1,5 milhões de pessoas por ano. Como parte da política de inclusão digital, foram financiados equipamentos de computação para 3 mil cidadãos no primeiro semestre de 2009.

De acordo com o estudo, as empresas paulistas utilizam o website da prefeitura principalmente para buscar informações, sendo que 49% das buscas são relacionadas a trâmites no geral e 41% são para fazer download e preencher formulários.

Outras formas de vinculação com a administração pública são a busca de informações sobre instituições de saúde do município (26%); informações sobre capacitação e cursos oferecidos pelo município (35%), consultas on-line a bibliotecas (15%), busca de informações sobre segurança (20%) e busca de informações sobre antecedentes criminais e delitos (18%). Do total, 9% dos indivíduos têm ligado para o número de emergências pelo menos uma vez no último ano.

Os cidadãos consideram que seria proveitoso para São Paulo contar com espaços onde possam acessar a Internet de forma gratuita (43%) e realizar mais trâmites com a Administração pública em forma on-line (22.6%).