Mark Zuckerberg: enquanto IPO não vem, só fica de olho nas avaliações

Tamanho da fonte: -A+A

Com a venda da metade da participação no Facebook nessa semana, o grupo de publicidade Interpublic provocou nova avaliação do valor de mercado para a rede social: US$ 66,5 bilhões.

Essa é a terceira menor avaliação da empresa nesse ano, que abriu o mês de janeiro cotada em US$ 50 bilhões, chegou ao pico superfaturado de US$ 100 milhões – no caso de uma possível IPO – e volta à casa dos US$ 60 bilhões.

A Interbrand comprara a participação em 2006, quando a rede estava avaliada em até US$ 2 bilhões e ainda estava longe de chegar aos atuais 700 milhões de usuários.

O negócio foi fechado no chamado mercado secundário, em que investidores podem comprar e vender participações em empresas que ainda não têm capital aberto.

O Facebook não negocia ações na Bolsa.

A oferta pública inicial da companhia é uma das mais aguardadas, e os investimentos de pop star ajudam a entender porque.

Bono, vocalista da banda irlandesa U2, comprou, em novembro de 2009, ações no valor de US$ 210 milhões através do seu fundo de investimentos Elevation Partners.

Hoje, os papéis de Bono são avaliados em US$ 975 milhões – mais de quatro vezes mais que o desembolso inicial.

Informações da agência Reuters divulgadas em janeiro desse ano indicam que o Facebook teve receita de US$ 1,2 bilhões no ano passado. Para 2011, a expectativa é que o site gere receitas de US$ 2 bilhões, segundo o Wall Street Journal.

No gráfico abaixo, você confere a oscilação das avaliações do Facebook em 2011, incluindo as duas cotações no mês de junho.