Foto: Divulgação, Bakerella/Flickr

Mark Zuckerberg anunciou a compra do Instagram pelo Facebook nessa segunda-feira, 9.

O negócio foi fechado em US$ 1 bilhão, em dinheiro e ações, diz o Financial Times. O valor não foi confirmado pelo fundador da rede social, sendo até agora divulgado pela imprensa, citando fontes anônimas próximas da negociação.

O valor coloca o negócio entre as maiores compras da área de internet.

Outros negócios bilionários incluíram as vendas do YouTube (US$ 1,65 bi, em 2006) e DoubleClick (US$3,1 bilhões, em 2007, incorporado ao AdSense), ambas pelo Google.

“Estou animado em compartilhar a notícia de que concordamos em adquirir o Instagram e que a sua talentosa equipe vai se juntar ao Facebook”, escreveu Zuckerberg em um post.

30 milhões de downloads
O brasileiro Mike Krieger é um dos cofundadores da empresa criada em 2010 cujo programa já teve mais de 30 milhões de downloads.

Em seu comunicado, Zuckerberg deixou claro que o Facebook não planeja fazer outras aquisições como essa e que é a primeira vez que a rede social compra um produto e uma empresa com tantos usuários.

De acordo com a base de informações sobre startups CrunchBase, do site especializado TechCrunch, o aplicativo já recebeu rodadas de investimento que somam US$ 47,5 milhões.

Nada mudará?
Parte do sucesso está na possibilidade de compartilhar fotos em diversas redes sociais, entre elas o Facebook e Twitter.

Segundo Zuckerberg, as características de compartilhamento para outros sites serão mantidas, apesar da compra. Além disso, será possível não compartilhar as imagens do Instagram no Facebook.

Kevin Systrom, presidente-executivo do Instagram, escreveu no blog da companhia que “é importante ficar claro que o Instagram não vai acabar".

Segundo ele, sua equipe vai passar a trabalhar com o Facebook para desenvolver o Instagram e construir a rede.

Embalo com Android
Na última semana, o Instagram lançou o aplicativo para celulares equipados com Android, sistema operacional do Google, que é um dos mais populares do mundo, com metade de participação no mercado mundial de de smartphones no ano passado, segundo o Gartner.

Anteriormente, apenas usuários do iOS, dos aparelhos da Apple, podiam usar o aplicativo.

Hoje, o Facebook é a maior rede social do mundo, com mais de 800 milhões de usuários, e tem estreia prevista na bolsa de valores dos Estados Unidos prevista para maio.

No dia 1º de fevereiro, o Facebook apresentou seus documentos aos órgãos regulatórios para fazer uma oferta inicial de ações (o chamado IPO) em que espera arrecadar US$ 5 bilhões.

A expectativa do mercado é que o IPO seja o maior para uma empresa de internet, superando o de quase US$ 2 bilhões do Google, feita em agosto de 2004.