Flash mob marcou o início do projeto Redenção.cc com a limpeza do parque em Porto Alegre

Pode um parque ser uma rede social?

Não só pode como é, apostam os organizadores do movimento Redenção.cc, que promoveram um flash mob no último dia 30 – no encerramento das Eleições 2010 – para limpeza dos gramados e arredores do parque da Redenção.

Foi apenas o primeiro passo de um projeto que se encerrará no dia 21 de novembro com um Wiki Parque dedicado à memória da área.

A próxima etapa do Recenção.cc é o lançamento, no próximo domingo, 10, de uma plataforma colaborativa que reunirá os conteúdos.

"O projeto pretende mapear e entrevistar personalidades e frequentadores e recuperar relações sócio-econômico-culturais do parque", explica Daniel Bittencourt, um dos idealizadores do projeto, e coordenador do Curso de Comunicação Digital da Unisinos.

Além do site, estão previstos voos panorâmicos, uma maquete virtual do parque em 3D que poderá ser editada pelos usuários e imagens em 360° da Redenção.

A plataforma seguirá o modelo colaborativo Wiki, cujo exemplo mais conhecido é a enciclopédia online Wikipedia, e terá os conteúdos distribuídos sob a licença Creative Commons, que estabelece regras mais flexíveis que o Copyright para o compartilhamento de obras culturais. Qualquer pessoa poderá colaborar e conferir o material enviado por outros.

"A Redenção é um Facebok real, vivo. Nós queremos criar um espaço virtual de referência representando essa relação. Tem gente que só se vê lá para jogar bola, correr, tomar chimarrão. Há quem frequente pela manhã, outros vão à tarde. A ideia é reunir essas histórias e criar uma memória afetiva da Redenção”, diz Bittencourt.

Projeto reserva novas surpresas
Bittencourt, um dos membros do grupo que idealizou o projeto, disse que a cada semana novos impulsos supresa de conteúdos serão gerados, e que o flash mob foi a penas o primeiro deles. Para ele, a ação do dia deu uma prévia do que deve ser visto no site:

“Ficamos bastante impressionados com a afetividade do porto-alegrense pela Redenção. Além disso, as pessoas já têm nos enviado conteúdos sobre a ação, com um retorno bastante positivo”.

Quem acessa hoje o endereço redencao.cc depara com links para redes sociais em que é possível acessar conteúdos já gerados pelos usuários sobre o parque, a maioria motivados pela limpeza - Twitter, Facebook, Orkut e Flickr entre elas.

Segundo Bittencourt, foram 250 mil pessoas impactadas pela ação apenas no Twitter, e centenas compareceram ao mutirão.

No final das oito semanas, iniciadas no último domingo, o site deverá ser entregue a uma instituição. Uma das intenções do grupo, que não teve as identidades reveladas, é que o modelo de experiência seja levado a outros espaços.