TI para segurança move US$ 1,68 bi no Brasil

20/05/2011 11:46

O mercado de sistemas eletrônicos de segurança registrou crescimento de 12% em 2010, sobre 2009, encerrando o ano com faturamento de US$ 1,680 bilhão no país.

Já em número de empresas, o Brasil conta com cerca de dez mil atuantes no segmento, que geram em torno de 125 mil empregos diretos e mais de 1,4 milhão indiretos.

Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese).

Tamanho da fonte: -A+A

O mercado de sistemas eletrônicos de segurança registrou crescimento de 12% em 2010, sobre 2009, encerrando o ano com faturamento de US$ 1,680 bilhão no país.

Já em número de empresas, o Brasil conta com cerca de dez mil atuantes no segmento, que geram em torno de 125 mil empregos diretos e mais de 1,4 milhão indiretos.

Os dados são de um levantamento da Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança (Abese).

De acordo com a pesquisa, nos últimos dez anos o mercado de sistemas eletrônicos de segurança vem crescendo a taxas médias de 13% anualmente.

Mas o potencial é maior, conforme a avaliação da associação: hoje, de um total de 6,18 milhões de imóveis com possibilidade de receber sistemas de alarmes monitorados, pouco mais de 11% desse total - 710 mil imóveis – o fazem.

Em termos de tecnologias, os alarmes contra intrusão representam 26% do mercado de sistemas eletrônicos de segurança.

Já os sistemas de controle de acesso representam 24% do mercado, incluindo equipamentos de identificação, cartões de acesso, número de identificação pessoal e equipamentos biométricos (impressão digital, iris, voz, palma da mão e facial).

Deste total de sistemas e equipamentos em uso, mais de 90% são consumidos pelo setor não-residencial.

Conforme avaliação da entidade, trata-se de um mercado “relativamente novo” no país, mas que deverá ampliar seu crescimento nos próximos anos devido ao aumento do uso das tecnologias pela classe média brasileira.

Isso, segundo a pesquisa, ocorrerá em função da demanda criada pelos grandes eventos esportivos por vir – Copa do Mundo de 2014 e Olimpíadas de 2016.

Ainda de acordo com a Abese, os mesmos eventos e também rotinas diárias farão com que a utilização das tecnologias de sistemas eletrônicos de segurança cresçam também entre os serviços públicos.

“As tecnologias de destaque são inúmeras. Se pensarmos em tendência mundial, podemos citar sistemas de controle de tráfego em vias públicas e rodovias, análise inteligente de vídeo e identificação biométrica”, avalia o presidente da Aese, Carlos Progianti.

O dirigente também ressalta o conceito de cidade digital, com a integração de registros e informações  aos sistemas de órgãos públicos competentes.

“A indústria da segurança cresce junto a outros indicadores brasileiros. A estabilidade econômica, o dólar com valores estabilizados, aliados à evolução da TIC, alimentam o desenvolvimento de produtos e serviços de segurança eletrônica”, completa Oswaldo Oggiam, diretor de marketing da Abese.
 

Veja também

SC: novidades em TI para segurança eletrônica

As catarinenses Seventh, desenvolvedora de soluções para monitoramento de imagens, e a Segware, especializada no desenvolvimento de soluções de alarmes, anunciam o lançamento de novos produtos de segurança eletrônica.

Como novidade a Seventh traz o software D-Guard Center, central para gerenciamento e monitoramento de imagens e automação provenientes de CFTV - circuitos fechados de tv digital, sistemas de automação e controle de acesso.

SC ganha pólo de segurança eletrônica
A Acate lança nesta quinta-feira, 19, sua vertical de empresas de tecnologia que desenvolvem soluções para o segmento de segurança eletrônica.

O lançamento será na abertura do Security Show 2009, evento que acontece na quinta e sexta-feira em Florianópolis, realizado por duas empresas do pólo: Segware, desenvolvedora de software na área de monitoramento de alarmes, e Seventh, especializada em software e equipamentos para monitoramento de imagens.
Diponto: foco no exterior para crescer 20%

A porto-alegrense Diponto pretende incrementar com expansão no exterior sua meta de crescimento para 2011, estipulada em 20% sobre os R$ 3 milhões faturados no ano passado.

Para isso, a empresa fechou um contrato com a Equipos Bancarios Dulon, de Bogotá, que adquiriu os relógios de ponto DPSin e Sirene, além do software desenvolvido para uso nos equipamentos, em um case piloto para iniciar a distribuição das soluções.

Indústria eletrônica inverte recuo de fevereiro

A indústria de eletrônicos e equipamentos de comunicação inverteu no mês de março o recuo apresentado em fevereiro, apontam dados do IBGE divulgados nessa terça-feira, 03.

No terceiro mês do ano, a indústria eletrônica avançou 10,1%, invertendo o recuo de 3,1% de fevereiro. A movimentação foi percebida em 13 dos 27 setores avaliados pelo Instituto.

SoftExpert: TI catarinense no Exército

O Exército Brasileiro adotou a SoftExpert Excellence Suite, da joinvilense SoftExpert, como ferramenta padrão para governança organizacional.

A solução, em uso no Departamento de Engenharia e Construção do Exército (DEC), foi escolhida por processo licitatório público.

Segware quer 50% mais e mira exterior

A Segware, catarinense especializada em software e soluções de mobilidade para segurança eletrônica, superou a expectativa de crescimento para 2010: inicialmente, planejava expandir o faturamento em 30%, mas chegou aos 35% de incremento sobre 2009.

A carteira de clientes também cresceu 20%, somando cerca de 1 mil ativos. Só no Rio Grande do Sul, grandes do setor de segurança como Rudder e STS utilizam soluções da empresa.

BITS: segurança para Copa é foco da Techdec

A Techdec veio para a BITS, que ocorre na Fiergs, em Porto Alegre, até a quinta-feira, 12, olhando mais além: a companhia aposta em suas soluções integradas de segurança para lucrar com eventos como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

A empresa oferece soluções para segurança pessoal e patrimonial, controle de acesso, alarmes, entre outras ferramentas. Mas a grande aposta é um sistema de reconhecimento facial.

TechDec quer crescer em governo e educação
A TechDec aposta nos mercados de governo e educacional para crescer no mínimo 20% em 2010.

A empresa, que em 2009 obteve crescimento de 122%, depois de um 2008 bastante conturbado pela crise econômica mundial, já atende a dez universidades só no Rio Grande do Sul, além de clientes da área pública como Infraero e Trensurb, entre vários outros.
NEC: biometria para polícias do RS e DF

A NEC Brasil lança o Sistema Automático de Identificação de Impressões Digitais (Automated Fingerprint Identification System - Afis).

A solução de biometria é voltada ao atendimento da regulamentação do Registro de Identidade Civil (RIC), recentemente instituída no Brasil, e já conta com clientes como a Polícia Civil do Rio Grande do Sul e Distrito Federal.

Dígitro lança biometria de voz para empresas

A catarinense Dígitro Tecnologia lança um sistema de biometria de voz, focado na identificação de indivíduos a partir das características vocais e hábitos de locução.

FGV: Copa vai gerar negócios para 7,7 mil MPE

Estudo encomendado pelo Sebrae junto à Fundação Getúlio Vargas (FGV) aponta que a Copa do Mundo de 2014 deverá beneficiar 7,7 mil micro e pequenas empresas (MPE) nas 12 cidades-sede em que se realizará a competição.

A área de tecnologia da informação é uma das beneficiadas, segundo os dados da FGV.