De 25 empresas que já apresentaram ao governo federal pedidos oficiais para produzir tablets no Brasil, nove já estão a um passo da aprovação, segundo revelado na sexta-feira, 12, pelo ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante.

Segundo o ministro, estão “praticamente aprovadas” Positivo, Samsung, Foxconn, Motorola, Semp Toshiba, LG e Itautec.
Mercadante, que também é presidente do Conselho de Administração da Finep, voltou a afirmar sua aposta na prática de preços baixos para venda dos tablets ao consumidor final, em função da produção local.

Conforme o ministro, a queda deve ocorrer em função da desoneração de 31% de impostos federais e, em alguns casos, também devido à redução de impostos municipais e estaduais, a exemplo da Zona Franca de Manaus

No Natal
Mercadante estima não apenas que os tablets nacionais já estejam no mercado para o Natal deste ano, mas que sejam “abundantes”, com “muitas opções de qualidade, de preço, de formato”.

Regras
Além disso, o ministro voltou a ressaltar que, pelas normas do MCT, os tablets produzidos no Brasil terão de ter 25% de conteúdo nacional, no primeiro ano, e 80% em três anos.