Automação gaúcha: união para evitar o fim

10/05/2011 17:35

A Softsul e o APL de Automação e Controle da região de Porto Alegre-Caxias assinaram nesta terça-feira, 10, durante a abertura da Bits, um acordo de cooperação para fomentar a indústria gaúcha de automação.

Representado pela Abinee, o APL congrega cerca de 55 empresas, a maioria de pequeno e médio porte.

José Antônio Antonioni, diretor-presidente da Softsul

Tamanho da fonte: -A+A

A Softsul e o APL de Automação e Controle da região de Porto Alegre-Caxias assinaram nesta terça-feira, 10, durante a abertura da Bits, um acordo de cooperação para fomentar a indústria gaúcha de automação.

Representado pela Abinee, o APL congrega cerca de 55 empresas, a maioria de pequeno e médio porte.

Conforme Nívio Fialho, diretor da Unidigital e representante do APL na assinatura do acordo, este é o primeiro passo para evitar o que definiu como um possível colapso da indústria gaúcha de hardware, motivado por questões como a concorrência com produtos estrangeiros, o que alegou como carência de incentivos ao setor, alta carga tributária brasileira e a falta de mão de obra qualificada, entre outros pontos.

“Existe o perigo do desaquecimento mortal da indústria eletrônica gaúcha”, destacou Fialho. “Tememos por isso, temos a necessidade de mais políticas e estratégias de fomento a esta área. E esta iniciativa no contexto da automação tem como um dos focos garantir este fortalecimento”, completou.

Para o presidente da Softsul, José Antonio Antonioni, a força da parceria entre a entidade e o APL está na aproximação entre as empresas de hardware, mormente compreendidas no arranjo produtivo, e de software, representadas pela agente Softex.

“Isso possibilitará o reforço das ofertas das companhias, reforçará suas oportunidades de participação em projetos que, talvez, sozinhas não alcançassem recursos suficientes para angariar”, afirmou o dirigente.

No bolso

Antonioni ressaltou, ainda, o peso que pode ter a atuação conjunta para a conquista, pela indústria de automação local, de mais incentivos financeiros para o crescimento.

“Existem fontes de recursos diversas, e as empresas isoladas podem não ter corpo suficiente para buscá-los. Pode haver falta de qualquer tipo de recurso – seja humano, seja de oferta, seja de algum tipo de competência -, ou mesmo de prática ou expertise na elaboração dos projetos para pleiteio destas iniciativas”, explicou Antonioni.

Para ele, carências que a Softsul pode ajudar a suprir. “Podemos atuar no intermédio que as empresas necessitam, nos tornarmos o canal de aproximação com as fontes de fomento, a exemplo do que já fazemos com a indústria de software”, comentou o presidente.

 
* O Baguete Diário cobre a BITS 2010 com patrocínio da HervalTech - HP e TI Work e apoio da Radioativa Produtora, Unirede e Softsul.

Veja também

Abinee debate a competitividade do setor

A Associação Brasileira das Indústrias Elétricas e Eletrônicas realiza reunião almoço na quinta-feira, 28, a partir das 12h, no Ritter Hotel, em Porto Alegre.

O evento traz o tema "A luta por maior competitividade: a grande missão da Abinee e das empresas do setor eletroeletrônico", que será discutido pelo presidente da associação, Humberto Barbato.

Abinee: salto na importação de sem fio

Dados divulgados pela Abinee nessa terça-feira, 05, apontam um avanço acelerado nas importações de produtos voltados para o mercado de telecomunicações no primeiro bimestre de 2011.

Conforme a associação, os modens para oferta de banda larga, por exemplo, tiveram alta de 220%.

Abinee: venda de PCs crescerá 13% em 2011

Levantamento da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) prevê um aumento de 13% nas vendas de computadores pessoais em 2011.

No total, devem ser comercializadas 16 milhões de unidades, frente às 14 milhões de 2009.

Seguindo a tendência mundial do mercado, os notebooks continuarão vendendo mais que os desktops no Brasil, assim como no ano passado, diz a Associação.

Abinee espera BC mais alinhado com o setor

A indústria eletrônica brasileira espera mais espaço para discussão com a nova direção do Banco Central (BC).

Abinee: política cambial é alvo de críticas

A indústria elétrica e eletrônica está otimista: a previsão para o final do ano é de faturar até o final do ano cerca de R$ 125 milhões, o que equivale a um crescimento de 12% em relação a 2009.

Só no Rio Grande do Sul, o segmento é composto por cerca de 160 empresas, que obtiveram em 2009 faturamento de R$ 8,5 bilhões. A cifra, que representa um aumento de 7,5% em relação a 2008, respondeu por 4,16% do PIB gaúcho.

Abinee contesta pregão eletrônico

A Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee) pede mudanças no modelo de pregão eletrônico do governo federal e propõe a revisão do decreto nº 5.450, de 31 de maio de 2005, que estabeleceu esse modelo de compras pela internet, informa a ComputerWorld.

PNBL: novo round na BITS

A saga da Telebrás contra as teles teve mais um capítulo nessa terça-feira, 10, durante a Business IT South America (BITS), em Porto Alegre.

No evento, representantes das operadoras e Rogério Santanna, gaúcho presidente da estatal responsável pela gestão do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL) mais uma vez debateram de longe, sem ficar frente a frente.

Anatel quer financiar inovação em telecom

A Anatel quer fortalecer os fornecedores nacionais de telecomunicações e, em breve, lançar uma proposta regulatória para incentivar a adoção da tecnologia brasileira pelas empresas – mesmo as internacionais – que atuam no mercado regulado pela agência.

Bidniuk está na Damovo

Vladimir Bidniuk, ex-coordenador regional HiPath da Siemens, assumiu o cargo de arquiteto sênior de Soluções em Redes Corporativas Seguras de Comunicações Unificadas na Damovo do Brasil S.A.

O profissional, que também é diretor de Governança Corporativa da Sucesu-RS, atuou por 11 anos na Siemens.

Bidniuk é graduado em Ciência da Computação, com pós-graduação em Telecomunicações e 25 anos de experiência na área de TI.

Brasil confirma parceria na Cebit 2012

O governo federal aceitou o convite para o Brasil ser o país parceiro na Cebit 2012.

Segundo Constantino Bäumle, diretor da Hannover Fairs Sulamerica, o comunicado foi feito via embaixadas durante a participação do ministro da Ciência e Tecnologia, Aloizio Mercadante, na Hannover Messe, no início da semana, e já chegou à organização da feira.

Foxconn quer antecipar iPad brasileiro

A Foxconn, montadora do iPad, enviou uma carta à presidente Dilma Rousseff em que manifesta o desejo de antecipar de novembro para junho a fabricação do tablet da Apple no Brasil.

Segundo informações publicadas pelo jornal Folha de S. Paulo nessa sexta-feira, 06, o dono e CEO da empresa, Terry Gou, enviou uma extensa carta apresentando uma série de novas exigências para antecipar a linha de produção dos aparelhos.

Foxconn no Brasil? Abinne duvida

O presidente da Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), Humberto Barbato, declarou nessa quinta-feira, 28, que não acredita nas promessas de instalação da chinesa Foxconn no Brasil.

Cerca de quinze dias atrás, o CEO da companhia, Terry Gou, disse à presidente Dilma Rousseff que investiria US$ 12 bilhões numa unidade da empresa no país, criando 100 mil postos de trabalho.