Dados da consultoria IDC divulgados nessa quinta-feira, 10, indicam que foram vendidos 18 milhões de tablets em 2010, sendo que 10,1 milhões foram comercializados apenas no último trimestre do ano passado.

Apesar de encerrar o ano com 83% do total de tablets vendidos no mundo, a fatia da Apple caiu.

Segundo a IDC, dos 93% no terceiro trimestre de 2010, a empresa com sede em Cupertino declinou para 73% no período de outubro a dezembro do ano passado.

O principal rival do iPad no período, aponta a consultoria de mercado, foi o Samsung Galaxy TAB, que fechou a temporada de final de ano com participação superior a 17% no segmento.

Mesmo com a concorrência forte, e crescente, já que marcas como Motorola, HP e Dell estão entrando no mercado de tablets – além de player locais – a expectativa dos analistas da IDC é que a Apple mantenha uma fatia entre 70% e 80%.

Eletrônico de consumo de maior adesão da história – superando os DVDs – os tablets ainda chegam a uma parcela pequena da população.

Apenas em 0,3% da população mundial
Segundo relatório da RBC Capital Markets 99,7% das pessoas no mundo ainda não têm um tablet.

O analista Mark Abramsky, responsável pelo estudo, compara a base de usuários de smartphones e tablets (estimada em 394 milhões) com as de outras tecnologias, como TVs por assinatura (600 milhões), circulação de jornais (513 milhões) e de usuários de Internet (2 bilhões).

Para comparação, Abramsky incluiu também a população mundial, estimada em 6,9 bilhões de pessoas, e o total de PCs no mundo (cerca de 1,3 bilhão).

A previsão de Abramsky é de que o número de usuários de tablets alcance 400 milhões em 2014 – o número inclui a previsão de venda de 185 milhões de tablets nesse mesmo ano.

No Brasil, segundo a IDC, foram vendidos em 2010 13,7 milhões de computadores. O resultado elevou o país ao quarto lugar no ranking mundial, atrás dos EUA, China e Japão.

A empresa prevê que em 2011 sejam vendidos localmente 300 mil tablets entre os brasileiros.