Metade dos computadores adquiridos por usuários com menos de quinze anos terão telas sensíveis ao toque até 2015.

É o que aponta uma previsão do Gartner, para quem as telas touchsreen estarão diretamente ligado à prática educacional no futuro próximo.

Nos Estados Unidos, diz o Gartner, os computadores touchscreen estarão presentes em mais da metade das escolas nos próximos cinco anos, podendo chegar até 75% delas caso haja um investimento maior.

De acordo com a consultoria, em 10 ou 15 anos toda uma geração terá crescido acostumada a trabalhar nos dispositivos touchscreen.

No ano passado, a cifra foi de apenas 2% dos usuários de menos de quinze anos adquiriram PCs do gênero, número que deverá saltar já em 2010 com a expansão dos tablets.

Grande parte da popularização dos computadores sem teclado e com tela sensível ao toque dependerá do sucesso da Apple e de outros fabricantes de tablets, segundo o estudo, que podem “sensibilizar” o mercado.

O progresso da tecnologia, dizem os analistas, será mais “evolucionário” do que “revolucionário”, pois nenhuma aplicação hoje é capaz de mudar o mercado da noite para o dia; mas, em contrapartida, o touchscreen pode trazer uma interface com melhorias no modo de uso e com preço menor, atraindo de vez o consumidor padrão.

Dizem os analistas que, assim como acontece muitos avanços tecnológicos, a adoção do touchscreen será liderada pelos consumidores e gradualmente fará parte do mundo empresarial.

Segundo as previsões Gartner, em quinze anos, menos de 10% dos PCs vendidos para companhias terão telas sensíveis ao toque.

Cifras
De acordo com outro levantamento do Gartner divulgado em março, o mercado touchscreen alcançará a marca de 362,7 milhões de unidades vendidas em 2010, um aumento de 96,8% em relação ao ano passado.

Ainda segundo a empresa, até 2013 os dispositivos móveis com telas sensíveis ao toque representarão 58% de todas as vendas dos aparelhos móveis no mundo e mais de 80% em mercados desenvolvidos, como a América do Norte e Europa Ocidental.

O boom da tecnologia deve ser estimulado pela sua inserção em celulares de baixo custo, aponta o Gartner.