A HT Micron, joint venture formada pela brasileira Altus e a sul-coreana Hana Micron, recebeu a  licença ambiental prévia para construir uma fábrica de chips no Tecnosinos em São Leopoldo nesta segunda-feira, 06.

“Essa licença saiu em tempo recorde e São Leopoldo se orgulha em crescer com qualidade, preocupada não apenas em trazer novos investimentos, mas em garantir que eles ocorram dentro das questões ambientais”, destacou o prefeito Ary Vanazzi.

O anúncio da vinda da fábrica foi feito há 10 meses. “Estamos conseguindo viabilizar esse projeto muito mais rápido do que o esperado”, acrescentou Susana Kakuta, gestora executiva do parque.

As obras devem iniciar dentro de dois ou três meses, quando será finalizado o quarto, e último ciclo do projeto. Segundo Ricardo Felizzola, presidente da HT Micron, a previsão é que até o final de 2012 a fábrica esteja em operação.

“O progresso da indústria coreana aconteceu impulsionado pelos semicondutores, e baseado no cenário que vemos aqui hoje, o Brasil é outro candidato para repetir tal feito”, afirmou o presidente e CEO da Hana Micron, Chang Ho Choi, que esteve em São Leopoldo junto com o embaixador da Coréia do Sul para assinatura.

A Hana Mícron tem metade do capital da joint venture coreana brasileira dona da HT, que deve fazer investimentos de US$ 200 milhões nos próximos anos para construir uma fábrica de chips em São Leopoldo. A Altus lidera o lado brasileiro.

As obras da fábrica de 10 mil metros quadrados, avaliadas em US$ 10 milhões, serão bancadas pela Unisinos, que posteriormente alugará o local à HT.

Até 2020, o Tecnosinos pretender investir cerca de R$ 30 milhões em Pesquisa & Desenvolvimento e ter aproximadamente 300 startups e 20 empresas âncoras.