CEOs, está na hora de levar o iPad a sério.

O alerta partiu da consultoria Gartner, que aconselhou executivos a se assegurarem de que o potencial do tablet da Apple esteja sendo avaliado com seriedade dentro das suas organizações.

Segundo o vice presidente da Gartner, Stephen Prentice, apesar de não ser normalmente um papel do CEO envolver-se com decisões sobre dispositivos usados nas empresas, o iPad é uma exceção.

“Ele é mais do que o último gadget para os consumidores. Os CEOs e líderes de negócios devem iniciar já o diálogo com os seus CIOs sobre como usar o aparelho em sua organização”, enfatiza Prentice.

Em nota sobre o relatório CEO Advisory: Seize the iPad Opportunity Now, o executivo ressalta que o iPad pode ser tão revolucionário quando o iPod, e mesmo que os CEOs pensem que é apenas uma moda passageira, o custo de uma ação antecipada na adoção de uma nova tecnologia é baixo, “enquanto que correr atrás é bem mais caro”.

Previsões da Gartner indicam que até o final do ano 19,5 milhões de tablets serão vendidos no mundo, número que deve chegar a 208 milhões em 2014. Neste cenário, a empresa sugere que, no mínimo, todos os homens-chave nas organizações usem o aparelho, com o devido suporte dos departamentos de TI.

Os departamentos de TI, diz Prentice, têm que evitar o argumento de que são uma “Windows shop” e que a Apple não dá suporte à organização.

Entre as vantagens do iPad apontadas pela empresa estão o fato de ser menos intrusivo que os notebooks em ambientes em que os usuários ficam frente a frente – como reuniões com clientes. Além disso, diz o relatório da Gartner, o aparelho facilita o consumo de mídia eletrônica.

“Tecnologia nem sempre é uma questão de produtividade”, concluiu.

Além da TI, a Gartner também recomenda aos CEOs pedirem aos departamentos de marketing e desenvolvimento de produtos briefings de como o iPad pode ser usado pela companhia e pela concorrência.