Tamanho da fonte: -A+A

Porto Alegre terá cobertura wireless em 24 bairros da região mais central da cidade, situados entre a Terceira Perimetral e o Guaíba.

De acordo com o secretário ordinário da Copa do Mundo de 2014, o vice-prefeito José Fortunati, a Procempa já trabalha em estudos de viabilidade de projeto, que fará uso da rede de fibra óptica da estatal na capital, a Infovia.

No entanto, a iniciativa não significa que o acesso estará disponível para os moradores da cidades nas suas casas, esclarece o presidente da Procempa, André Imar Kulczynski.

“Nosso entendimento é que o estado não deve competir com a iniciativa privada na oferta de acesso”, explica Kulczynski. De acordo com o presidente da Procempa, a conexão estará disponível para a população em parques, praças e prédios do governo, além de poder ser acessada por equipes da prefeitura em qualquer ponto.

Kulczynski reconhece, no entanto, que a questão de liberar ou não o acesso à Internet de forma irrestrita é uma "decisão política" dentro do que é um debate nacional sobre a questão

Mesmo com as restrições, a iniciativa vai significar uma expansão significativa da cobertura de wireless em Porto Alegre, que começou a ser instalada de forma pioneira ainda em 2006.

Hoje, há sinal disponível em pontos específicos dos parques Moinhos de Vento e Farroupilha e nas praças da Alfândega e Esplanada da Restinga. A Procempa também disponibiliza acesso em eventos como o Fórum de Software Livre ou a Feira do Livro.

“Vamos beneficiar grande parte da população de Porto Alegre com essa novidade”, comenta Fortunati, que não adiantou qual é o investimento previsto na iniciativa. O vice prefeito esteve no Tá na Mesa da Federasul desta quarta-feira, 28, apresentando os projetos para a Copa.

Em outubro, Campo Bom anunciou cobertura sem fio para toda a área da cidade, que tem 61 mil quilômetros quadrados, com um investimento de R$ 1,05 milhão. Porto Alegre tem 496 mil quilômetros quadrados, dos quais aproximadamente um terço estariam na zona mencionada por Fortunati.

Segundo o vice prefeito, a capital gaúcha tem uma das melhores situações em termos de telecomunicações das 12 cidades que receberão jogos da competição de acordo com um levantamento da Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de Base (Abdib) que orienta os investimentos na capital.

O estudo da Abdib será entregue oficialmente na prefeitura em novembro e aponta as prioridades de cada cidade nas áreas de mobilidade urbana, hotelaria, portos e aeroportos, energia, saneamento e telecomunicações. Os investimentos infraestrutura previstos para Porto Alegre chegam a R$ 4 bilhões.

Uma rede wireless seria um investimento útil para Copa e um bem duradouro para a cidade, segundo o coordenador do curso de Comunicação Digital da Unisinos, Daniel Bittencourt.

“Há muitas possibilidades de aplicativos ricos para rodar nos smartphones dos turistas”, exemplifica Bittencourt, destacando que até a Copa aumentará a capacidade de acesso dos celulares, assim como as possibilidades dos aplicativos a serem desenvolvidos.

Depois da Copa, a rede serviria no mínimo para “retirar o entrave tecnológico” para uma expansão dos serviços de atendimento eletrônico do governo à população, nos moldes do que se vê em cidades americanas como Boston ou Chicago, acredita o especialista.

Na terça, 03, estudantes e professores da Comunicação Digital recebem Fortunati, que vai dar um briefing do que a prefeitura quer em termos de presença digital para a Copa. Divididos em grupos, os estudantes vão entregar propostas.

Comentário no Quentinhas
A oferta de banda larga em espaços públicos de Porto Alegre foi comentada pelo editor do Baguete, Maurício Renner, em post no blog Quentinhas.

Para o jornalista, a conexão deveria ser liberada em toda a cidade. Confira no link relacionado abaixo.