O Anhanguera Educacional, a maior operação de ensino superior no Brasil, com 250 mil alunos de ensino superior e 500 mil de profissionalizante matriculados, vai implementar o sistema de gestão Peoplesoft Campus Solutions combinado com banco de dados Oracle.

A ferramenta de ERP será usada para o gerenciamento integrado das atividades acadêmicas, administrativas e financeiras. Alunos, professores e funcionários terão acessos a serviços por meio de um portal unificado. Ainda não foi definida a plataforma de hardware necessária.

A HQS Consulting, sediada em São Paulo, será responsável pela implementação do projeto, que envolverá 15 profissionais da Anhanaguera e não teve valores divulgados no comunicado oficial das companhias.

“Nossa estratégia de negócios é focada na oferta de cursos de ensino superior de qualidade a preços acessíveis. Estamos em rápido crescimento, o que exige a busca contínua de soluções tecnológicas que nos ajudem a permanecer como líderes do mercado”, comenta Luciano Possani, diteror de TI da Anhanguera Educacional.

Sem medo do ERP
Em entrevista concedida ao Baguete em outubro do ano passado, apenas três meses depois de assumir o cargo, Possani já adiantou a possibilidade de implementar uma ferramenta de ERP global, em substituição a uma solução Microsiga usada para a parte contábil e fiscal e outra desenvolvida internamente para a área acadêmica e financeira.

Questionado sobre as dificuldades enfrentadas por outras instituições de ensino superior na implementação de softwares de gestão, Possani afirmou que “softwares de gestão são sempre um assunto complicado, mas a maioria das vezes o problema é mais de cultura interna e definição de processos que de tecnologia”.

Na nota divulgada à imprensa, Oracle afirma que desenvolveu um sistema para garantir o alinhamento das linhas de negócios à estratégia tecnológica da instituição, mapeando e configurando os processos internos da Anhanguera.

“Ter a Anhanguera como um cliente Oracle consolida nossa posição como líder do setor. Estamos à frente porque oferecemos uma solução focada para atender o seguimento educacional”, afirma Elisabete Waller, vice-presidente de Aplicativos da Oracle do Brasil.

A TI do Anhanguera é concentrada em Valinhos, no interior paulista, onde estão alocados 40 profissionais. Unidades maiores, algumas delas com até 40 mil alunos em vários campi, tem equipes próprias. Operações menores, com cerca de 5 mil alunos, têm times de técnicos comandados remotamente.

Rio Grande do foco
O Rio Grande do Sul é um dos alvos do Anhanguera. Há um mês, foi anunciada a construção de três unidades no Rio Grande do Sul até 2012, em Porto Alegre, Gravataí e Novo Hamburgo, com investimento total de R$ 24 milhões.

Rumores chegaram a indicar uma compra do UniRitter, que acabou não se concretizando. Em 2007, o Anhanguera já havia levado Faculdade Atlântico Sul e Planalto, localizadas em Rio Grande, Pelotas e Passo Fundo por R$ 27 milhões.

Apesar de terem causado rebuliço na área acadêmica gaúcha, tratam-se de negócios pequenos na escala do Anhanguera. A fusão com a Rede de Ensino LFG, fechada no começo de outubro de 2008, envolveu um valor total de R$ 180 milhões.

A Anhanguera Educacional obteve um aumento da receita líquida de 170,9% no terceiro trimestre de 2008, comparado com o mesmo período do ano passado, atingindo R$ 169 milhões.

Cases & cases
Na nota divulgada à imprensa, a Oracle destaca que Universidade do Sul de Santa Catarina, Aliança Francesa de São Paulo e Senac em São Paulo são usuários do PeopleSoft Campus Solutions.

No entanto, aquele que seria o maior case da ferramenta – antes do contrato com a Anhanguera – não chegou a ser concluído.

Em maio de 2005, a Unisinos anunciou a implementação de 35 módulos do Peoplesoft, ao custo total de R$ 15 milhões. Na época, o plano da Associação Antônio Vieira, responsável pela administração da universidade gaúcha Unisinos e dos colégios Medianeira, Anchieta e Catarinense era adotar o ERP em toda a operação.

Em dezembro de 2007 o plano de expansão foi abortado e os colégios migraram para softwares da mineira RM Sistemas, uma das marcas do Grupo Totvs. Rumores indicavam que Unisinos também passaria para o RM, mas foram desmentidos pelos jesuítas na época. Desde então, não surgiram mais novidades no assunto.

Comentário no Quentinhas
A escolha da Anhanguera foi tema de comentário do editor do Baguete, Maurício Renner, em post no blog Quentinhas.

A opinião do jornalista pode ser conferida pelo link relacionado abaixo.